A vida clandestina em 4 meses, 3 semanas e 2 dias

em

Filme com poucos recursos financeiros (por volta de US$ 600 mil) e que ainda aborda um árido tema, o aborto clandestino. Não é a fórmula do sucesso hollywoodiano, não é mesmo? Estamos falando de 4 meses, 3 semanas e 2 dias (2007), roteiro e direção de Cristian Mugiu, ganhador da Palma de Ouro em Cannes e indicado ao Globo de Ouro na categoria de melhor filme estrangeiro.

Lembro-me muito bem de quando vi esse filme em um Festival Internacional de Cinema em Brasília. Não consigo esquecer tudo que senti, a apreensão, a tensão de ser pega, o perigo de estar na clandestinidade e a vontade de ver tudo aquilo resolvido, mesmo sabendo que as cicatrizes ficariam ali a reclamar durante muito tempo. Obra cinematográfica surpreendente e concreta demais.


Otília e Gabita – humanas, demasiado humanas


SINOPSE: Duas moças na faixa dos 20 anos dividem um quarto numa república de estudantes em Bucareste. Como todo estudante, elas não têm grana. A ação se passa em 1987, nos últimos anos da ditadura comunista de Nicolau Ceaucescu, quando produtos ocidentais como cigarros e chicletes só podiam ser encontrados no atuante e caríssimo mercado negro. A história é narrada quase em tempo real. Uma das meninas está grávida e deseja se submeter a um aborto ilegal, que só pode ser realizado num hotel vagabundo e por um médico asqueroso, que não hesita em tirar proveito da condição de desespero das mulheres.



Sr. Bebê, Otília e Gabita

Cristian Mungiu escreveu o roteiro do filme em apenas um mês, baseado em uma história verídica que ouviu enquanto era estudante. O autoritarismo do regime militar do ditador Ceaucescu permeia toda a narrativa. A trama enfatiza a história de duas amigas, Gabita (Laura Vasiliu) e sua amiga Otilia (Anamaria Marinca – atuação impecável), que percorrem uma via crúcis dolorosa e amarga para fazer um aborto no mercado negro. Mungiu preferiu passar a largo de discussões acaloradas (e panfletárias) acerca de posições políticas e acerta em cheio: não há arestas, o que resta são imagens que revelam o interior mais puro dos personagens, seus medos, fraquezas e hesitações. As reflexões não são lineares e unívocas, o aborto clandestino é a ponta das discussões sobre moralismos e soluções fáceis para “eliminar” o sintoma social. Aparenta, em si, ser mais uma obra que crava suas garras na hipocrisia e naquilo que há de mais frágil e deteriorado nas relações humanas, tal qual o regime político ruído da época.

A atuante Otília e a impotente Gabita

Na maior parte do tempo, Gabita permanece encerrada num quarto de hotel enquanto Otilia percorre uma rota de sobrevivência que passa pelo mercado negro de bens de consumo, a corrupção de funcionários, empréstimos e relações degradantes com os detentores de qualquer tipo de “moeda”, nem que seja seu corpo.

O filme empenha completamente sua linguagem na fixação desse ambiente e das sensações de Otilia. A primeira cena se abre sobre a imagem de um aquário com dois peixinhos em pequeno volume de água. É a metáfora perfeita para o confinamento que afeta a todos, na ausência quase total de privacidade. Os espaços são pouco aconchegantes. O sufocamento pelo coletivo se expressa à perfeição na cena do jantar com a família do namorado, quando a própria lente da câmera sugere não ter espaço suficiente para enquadrar todos em um mesmo plano.  A câmera permanece imóvel, centrada na estudante absolutamente deslocada.


A experiência da clandestinidade

Construído em planos longos e silenciosos – o que aumenta a tensão e a claustrofobia da vida clandestina buscada pelas duas amigas – e com uma fotografia escura e de poucas cores, todas sem vida, nesse universo pesado, árido e triste, o que transparece qual é a realidade representada pelo diretor. Por mais dolorido que seja, o que Cristian Mungiu expõe é uma situação palpável, lastimavelmente verdadeira, as personagens são distantes (mesmo sendo amigas íntimas); e até mesmo a câmera é distante e pouco receptiva.
Não temos acesso a informações completas, conhecemos tão-somente fatos e personagens, isso em um ritmo descompromissado, por meio de diálogos e ações aparentemente gratuitos. Da mesma forma, eventos como um estupro são sempre absolutamente dominados – sem vê-los, em qualquer aspecto que seja, nos basta saber que existam. Temos acesso apenas àquilo que é julgado necessário.
O terror da clandestinidade
Longe de abordar posicionamentos, aqui, o aborto é um crime e existem modos ilegais de praticá-lo – o importante é o “como”. Mais do que descobrir o que buscam as amigas Gabita e Otilia, quando se encontram juntos as duas e o responsável pelo aborto, sr. Bebê (Vlad Ivanov), acompanhamos um longo relato de toda a situação e do procedimento. Em diálogos tensos, graves, o que se instaura são as posições – de um lado, as amigas inseguras e desesperadas; do outro, um homem que se impõe e demonstra constantemente seu poder. Implacável, aquele a quem se recorreu para fazer o aborto, embora praticamente sem se exaltar fisicamente, por sua posição, exercerá grande poder psicológico. A Gabita, grávida e sem alternativa e a Otilia resta ceder.

Nessa realidade, nós, junto às personagens, afundamos pouco a pouco, sem grandes esperanças.
Diálogos gratuitos geniais!
Após o acontecido, o aborto consumado, também não há paz, apenas ruas escuras e intimidantes. A realidade persiste sólida e cinza, tão concreta que nos corta. Mais que isso, no momento em que Otília vomita na rua (após discutir com seu namorado o que faria caso estivesse na posição da amiga) o que temos é um triste vislumbre de um grande ciclo. De um mesmo evento que se repete infeliz e inexoravelmente para jovens diferentes, imersas, sem fuga.
O despojamento técnico ajuda a desnudar por completo a essência do filme: uma história pequena, humana, narrada com grau razoável de distanciamento emocional, com muito respeito à dor e aos sentimentos das personagens.

Vale a pena! Todos devem sentir esse filme!


FICHA TÉCNICA

4 MESES, 3 SEMANAS E 2 DIAS (4 LUNI, 3 SAPTAMANI SI 2 ZILE) Romênia, 2007
Direção e roteiro:
CHRISTIAN MUNGIU Fotografia: OLEG MUTU Edição: DANA BUNESCU Desenho de produção: MIHAELA POENARU Elenco: ANAMARIA MARINCA, LAURA VASILIU, VLAD IVANOV, ALEXANDRU POTOCEAN Duração: 113 minutos Site oficial francês: clique aqui


ACESSEM TAMBÉM:


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s