Fahrenheit 451

 

Produção inglesa, de 1966, baseada em livro homônimo de Ray Bradbury. Direção de François Truffaut, roteiro dele e de Jean-Louis Richard. Com Julie Christie, Oskar Werner, Cyrill Cusack, Anton Diffring.

Num futuro distópico, um governo totalitário proíbe ler e manter livros, sob o pretexto de que tornam as pessoas infelizes. Bombeiros, então desnecessários para contenção de incêndios, são os responsáveis pelo controle e incineração de qualquer exemplar impresso encontrado. Além de atear fogo aos livros, os bombeiros são também responsáveis por encontrar, perseguir e deter aqueles encontrados mantendo-os e lendo-os. Tal qual uma polícia “especial”, uma Gestapo bibliófoba.

Guy Montag (Oskar Werner), o protagonista, é um bombeiro. Casado com Linda (Julie Christie) – no livro, Mildred – , inicialmente parece bastante satisfeito com sua profissão e sua vida. Faz bem seu trabalho, está prestes a ser promovido. Leva uma vida simples e normal. Sua esposa passa boa parte do tempo em casa, imersa nos programas de tv, junto com a Família – alcunha dada aos personagens e apresentadores dos programas televisivos. Enfim, um lar de aparente felicidade, de cotidiano tranquilo, perfeito.

Porém, um encontro inesperado faz com que Montag passe a questionar sua própria motivação e a validade do seu ofício. A conversa com Clarisse, sua vizinha (Christie, também) tem um efeito catalisador e ele começa a sentir-se inquieto no cumprimento de seu dever. Inquieto e em dúvida. Esconde em casa alguns dos livros que deveria queimar. E já não consegue ter tanta certeza de que os preceitos que vem seguindo há anos sejam realmente o melhor para ele, para sua esposa, para a sociedade. Chega a hesitar numa das execuções. Tornando-se desse modo um pouco suspeito aos olhos de seus pares e de seu chefe. Linda, assim como as “amigas” que frequentam sua casa, e importando-se apenas com a Família da tv, não consegue lidar com a mudança de atitude de Montag. Alienada, pede-lhe até para escolher entre ela e os livros.

Mesmo não sendo um livro longo, alguns detalhes foram deixados de lado no filme. Provavelmente por impossibilidade técnica de execução (como Sabujo, o cão mecânico), ou por opção do roteirista e do diretor. Essas ausências não chegam a comprometer demais o sentido do filme. Apesar de eu ter sentido bastante a falta de Faber, personagem do livro que é uma espécie de mentor de Montag. Creio que seja a ausência mais significativa – e prejudicial – pois ele é quem dá o “golpe final” em Montag para trazer sua consciência à tona.

Sobre o filme como um todo, há algumas curiosidades. Baseado num livro escrito por um norte-americano, Truffaut, francês, dirige seu único filme falado em inglês – idioma que ele não domina – numa nítida tentativa de ampliar o alcance da obra. Filmado em locações na Inglaterra, com atores falando com leve sotaque britânico. E cujo protagonista é representado por um ator alemão, que entrou na produção após a desistência de Paul Newman, às vésperas do início das filmagens.

Apesar de um pouco datado, ainda assim é uma obra que vale a pena ser (re)visitada. A leitura do livro não é premissa para compreender o filme, mas é altamente recomendada, já que algumas questões sobre o futuro do consumo da informação são abordadas de modo menos superficial que no filme.

IMDB
Youtube Filme completo, legendado.
Skoob

Cristine Tellier também publica resenhas no blog PrintStackTrace0 visite!

Anúncios

Um pensamento sobre “Fahrenheit 451

  1. Um clássico sem dúvida, mas comparado ao livro, o filme deixa muito a desejar. Tanto que é considerado por muitos o filme mais fraco do Truffaut.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s