Masmorra Maldita #02 O Bandido da Luz Vermelha

 

o-bandido-da-luz-vermelha-banner

Demoramos, mas não falhamos!

E dessa vez Angélica Hellish e Marcos Noriega convidaram Isadora Sinay do Posfácio e do Vortex Cultural, o amigo Douglas Fricke  Exumador do Podtrash para conversar sobre do filme de 1968 do diretor Rogério Sganzarla, O Bandido da Luz Vermelha.

Inspirado nos crimes de João Acácio Pereira da Costa, o filme é um ícone do Cinema Marginal brasileiro!

Na edição e trilha desse podcast: Diego Pinto do Cine Desbravador e Angélica Hellish

Edição da vinheta: Felipe de Oliveira e voz de Ivan PD.

Banner: Mariana

Youtube:

Assista também:

Ocupação Sganzerla no Youtube

Documentário Boca do Lixo: A Bollywood Brasileira

Luz Nas Trevas – Direção de Helena Ignez de 2010

Leia sobre aqui

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 

Anúncios

9 comentários Adicione o seu

  1. Ivan disse:

    Excelente episódio, pessoal!
    Faz uns 2 anos que assisti O Bandido da Luz Vermelha e admito que fiquei surpreso com o formato não muito linear do filme, não esperava por isso em um filme brasileiro da década de 60, e, pra ser sincero, talvez precisasse revê-lo para formar uma segunda opinião mais favorável.
    Uma coisa é certa, é um filme muito ousado.

  2. ricardo cidade disse:

    Muito bom! Vocês tardam mas não falham!

  3. Rodrigo Caldas disse:

    Olá Angélica e galera do cinemasmorra!
    Excelente programa com um tema importantíssimo . Parabéns! Vou rever esse grande clássico .
    A trilha sonora foi maravilhosa !!!
    Abraços

  4. Ola gostaria de sabe se você gostaria de fazer parceria com meu blog tenho um blog do mesmo gênero que o seu e gostaria de sabe se podemos fazer parceria de links espero sua resposta.. abraços

    Meu Blog:
    http://assistirfilmesepicos.blogspot.com.br/

  5. Ótimo Cast! Me lembrei do documentário Belair que não foi muito divulgador sobre a produtora do Sganzerla e seus filmes marginais em parceria com o cineasta Julio Bressane. Eu fui conquistado a assistir esse documentário pelo poster que é belíssimo. Confiram no filmow http://filmow.com/belair-t38558/
    1 abraço

  6. André Farias disse:

    Meus caros,
    Vocês estavam discutindo como a faculdade de cinema despreza o Cinema Marginal.

    Penso que esse proceder é apenas um reflexo de um modo de pensar e agir profundamente enraizado no universo da instrução formal brasileiro: a cultura popular do país só é apreciável depois de passar pelo filtro do estrato social mais abastado.

    As manifestações do povo são consideradas arte ou mesmo cultura apenas depois de passarem por um processo de adequação às exigências formuladas na Europa e nos Estados Unidos e reproduzidas no Brasil.

    Assim, o Cinema Novo, que busca elementos na cultura popular e adéqua-os à Nova Onda francesa, pode ser apreciada, enquanto que o Cinema Marginal deve ser considerada uma infeliz e abrutalhada nota de rodapé na produção nacional.

    Apliquemos esse raciocínio à música: meu compositor favorito fez uma releitura nacional da “Ópera dos três vinténs”, trazendo para ela estereótipos da periferia carioca. É, portanto, um exemplar da chamada MPB.

    Já o Bezerrada Silva, que efetivamente viveu na periferia, é desprezível.

    Acho que já discorri o suficiente. Me perdoem a extensão, aliás.

    Grande abraço!

    André

  7. Olá masmorrianos!

    Sou um fã do trabalho do Sganzarla e do cinema marginal como um todo, inclusive de diretores ainda mais controversos que não pouparam a alcunha marginal do cinema para criar obras como os filmes da série equina do Juan Bajon ou os WIPs do Galante (esses ainda mais imagináveis de serem agregados ao culto nacional do cinema).

    Porém o cinema novo não é de todo mal, apenas é muito exacerbado. O próprio Deus e o Diabo na Terra do Sol é excelente, e não considero um detrimento ele ser autoral; além do Glauber outro diretor que merece respeito é o Nelson Pereira dos Santos principalmente pelo filme Quem é Beta?

    Abraços do KING a toda equipe e convidados e continuem!

  8. Almighty disse:

    Mais uma vez vocês trouxeram um ótimo conteúdo e aumentaram minha lista de filmes a serem assistidos. Nunca parem, por favor!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s