Microhabitat (Coreia do Sul, 2017)

Quinzenalmente, estamos aqui no Masmorra Cine, falando de filmes não-estadunidenses de uma forma que cabe no seu tempo e, de quebra, apresentando dicas culturais oriundas dos países das obras destacadas. Venha conosco. Hoje, iremos à Coreia do Sul.

 

Carvalho de Mendonça – Podcast ” O Livro da Minha Vida” – Blog Veia Dramática

 

MICROHABITAT (Coreia do Sul, 2017)

So-gong-nyeo – Drama – 1h46min – Go-Woon Jeon

A obra em 13 segundos

Para manter os únicos prazeres de sua vida, o cigarro e o uísque, uma garota decide economizar, devolvendo o imóvel em que residia ao proprietário e procurando abrigo em casas de amigos do passado. A cada reencontro, um novo drama.

***

A obra em 55 segundos

Mi-So (Esom) é uma jovem que trabalha como faxineira e que tem apenas três prazeres na vida: cigarro, uísque e o namorado Han-Sol (Ahn Jae-hong). Com o aumento dos preços do cigarro e do uísque, ela decide devolver o imóvel em que reside ao proprietário e procurar abrigo em casas de amigos do passado. Mi-So faz uma lista com os nomes dos integrantes de sua banda da juventude e vai de porta em porta em busca de um teto. A cada reencontro, um novo drama. Microhabitat é um filme sul-coreano de 2017, com roteiro e direção de Go-Woon Jeon, capaz de tocar corações e gerar reflexões acerca da configuração social e afetiva dos novos tempos. A obra desperta sentimentos ambíguos no espectador: ao mesmo tempo em que o público julga as decisões absurdas da protagonista, é seduzido pela doçura quase inocente da garota. O ambiente frio e melancólico da história é brilhantemente engrandecido pela fotografia de Tae-soo Kim e pela trilha sonora de Kwun Hyun-jeong.

***

A obra em 2 minutos e 46 segundos

Mi-so (Esom) mora sozinha em uma pequeno apartamento, quase sem mobília, e faz serviços de faxina para o seu sustento. O dinheiro que ganha, separa em uma caixa com divisórias, que indicam cada montante reservado para seus gastos: aluguel, uísque, cigarro e alimentação. Vivendo sempre no limite financeiro, a jovem controla suas economias em um caderninho. Mi-so namora Han-Sol (Ahn Jae-Hong), um aspirante a cartunista, que não reúne condições de abandonar o quarto coletivo em que mora para viver com a companheira. Os preços do uísque e do cigarro sobem e a trama se inicia.

Microhabitat é um filme sul-coreano de 2017, com roteiro e direção (filme de estreia) de Go-Woon Jeon, capaz de tocar corações e gerar reflexões acerca da configuração social e afetiva dos novos tempos. A história se desenrola naturalmente nos primeiros minutos. Inicialmente, o espectador acredita acompanhar as desventuras de uma personagem com problemas econômicos, como já visto em diversas outras películas e em infinitos casos reais que nos cercam diariamente. Porém, quando a protagonista se vê diante de uma crise, em que ela é obrigada a cortar gastos, o tom da obra muda, e o olhar do público também.

Para manter os únicos prazeres de sua vida, o cigarro e o uísque, Mi-so decide devolver o imóvel em que reside ao proprietário e procurar abrigo em casas de amigos do passado. Ela faz uma lista com os nomes dos integrantes de sua banda da juventude e vai de porta em porta em busca de um teto. A cada reencontro, um novo drama. Com o desenrolar dos acontecimentos, sentimentos ambíguos começam a ser gerados em quem assiste: ao mesmo tempo em que se julga as decisões absurdas da protagonista, se é seduzido pela doçura quase inocente da garota.

Um aspecto negativo que pode ser destacado no filme é o formato “episódico”, contendo cada um dos “capítulos”, inclusive, uma espécie de título. A forma em si não é o problema e, sim, o fato de que tudo se torna um pouco previsível. Apesar de cada visita trazer surpresas, personalidades distintas, tragédias diferentes e ímpares, e todas elas serem bem trabalhadas, na metade do filme já é possível supor o que irá ocorrer – ela vai chegar na casa do amigo, ter um conflito, e passar para a próxima – o que diminui o interesse nos eventos futuros.

Em que pese a ressalva feita no parágrafo anterior, Microhabitat é um drama sutil e poderoso ao mesmo tempo. Escancara a solidão das pessoas da cidade grande, tristezas familiares, problemas sociais agravados (e até criados) pela modernidade, além de apresentar complexas figuras, que demonstram a democracia da dor, que habita os lares (e as ruas) sem sopesar requisitos. O ambiente frio e melancólico da história é brilhantemente engrandecido pela fotografia de Tae-soo Kim e pela trilha sonora de Kwun Hyun-jeong. Inegável, também, que a cineasta Go-Woon Jeon estreou magistralmente como diretora, trazendo tons de ironia e absurdo a belas paisagens urbanas, em câmera fixa, que lembra, em alguns momentos, trabalhos de Woody Allen. Microhabitat é mais uma saborosa surpresa dramática vinda do Oriente.

Ponto forte: A direção de fotografia de Tae-soo Kim e a trilha sonora de Kwun Hyun-jeong são peças fundamentais para a construção do ambiente frio, solitário e melancólico em que a protagonista está inserida.

Ponto fraco: O formato “episódico” torna o desenrolar da trama um pouco previsível.

***   

Ficha Técnica

Direção de Go-Woon Jeon

Roteiro de Go-Woon Jeon

Elenco principal com Esom, Ahn Jae-hong, Choi Duk Moon, Jae-hwa Kim, Kang Jin-A, Kim Hee Won e Soo-hyang Cho

Fotografia de Tae-soo Kim

Edição de Go Bong-gon

Design de produção de Nam-sook Kim

Figurino de Ji Ji-yeon

Trilha Sonora de Kwun Hyun-jeong

***   

Dica cultural, diretamente da Coréia do Sul

Confesso não ser o maior admirador de histórias de zumbi, mas a dica cultural de hoje é uma das melhores coisas que já encontrei na Netflix: Kingdom, série sul-coreana de apenas seis episódios na primeira temporada, escrita por Kim Eun-hee e dirigida por Kim Seong-hun. Ambientada magistralmente na época da Dinastia Joseon, a fotografia e os detalhes cenográficos da Coreia medieval são fascinantes, e fazem com que o trabalho tenha um valor artístico enorme, além da dose de entretenimento. Quando o rei se torna recluso misteriosamente, o príncipe Lee Chang (Ju Ji-Hoon) tenta visitá-lo, mas é impedido pela jovem esposa do pai, que, grávida, coloca todo o reino contra o herdeiro. Ao tentar descobrir a verdade sobre a enfermidade do rei, ele se depara com uma brutal epidemia zumbi, dando início a uma caçada frenética, que mistura espadas samurai e mortos-vivos. No elenco, além da ótima performance do protagonista, destaca-se as excelentes atuações de Be Doona e de Kim Sang-ho, que dá vida ao fiel escudeiro do príncipe, um personagem de carisma inigualável. Kingdom é uma série deliciosa, que já teve a renovação para a próxima temporada anunciada. Aguardemos ansiosos.

Por hoje, é isso, companheiras e companheiros.

Até mais.

Carvalho de Mendonça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s