[Mês do Horror] Masmorra Cast #79 El Horror en la tierra del Tango !

Muy Bueno! Chegou o momento no nosso especial do Mês do Horror analisando o cinema de vários países e falar sobre os nossos hermanos da Argentina! Um cinema onde o gênero expressa o seu repúdio pela Ditadura, a desigualdade social e o autoritarismo como poucos! Angélica, Marcos e Douglas Fricke, do Podtrash falam de muita coisa boa! Ven con nosotros!

Banner: Oliver Souza


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Se prepara que tem MUITOS filmes mencionados! (ah, uma dica para quem está tento problemas para acessar o nosso canal no Ok.RU é usar uma navegador com VPN ligado, o Opera tem essa função)

El Vampiro Negro (1953), La Bestia Desnuda (1967), Visitante de Invierno (2008), Zombies En El Canaveral (2019), Los vampiros Los Preferem Gorditos (1974), El Diablo Blanco (2018), Sangre De Virgenes (1967), Un Cine en Concreto (2017), ATAUD BLANCO: El Juego Diabolico (2016), Aparecidos (2007), Limbo: Children of the Night (2014), She Wolf AKA Mujer Lobo (2013), 4X4: Bem Vindo a Bordo (2019), LA ANTENA (2007), Mirada del Cristal (2017), Muere, Monstro, Muere (2018), El Niño de Barro (2007), El Slabón Podrido (2015), No Fim Do Túnel (2017), El Hombre Bestia (1934), Extraña Invasión (1965), Placer Sangriento (1965), Los Miedos, de Alejandro Doria (1980), UNA MUJER SIN CABEZA -1947, SI MUERO ANTES DE DESPERTAR-1952, documentário TRAS LOS PASOS DEL HOMBRE BESTIA , La muerte camina en la lluvia (1948), “La Bestia Debe Morir” (1952), EL HOMBRE QUE DEBIA UNA MUERTE-1955, EL HOMBRE INVISIBLE ATACA -1967, “El Tonel” Obras Maestras del Terror 1960 Narciso Ibañez Menta, Ensayo general para la muerte (1962), Las Venganzas De Beto Sanchez (1973) (esse é mais tipo “Um dia de Fúria”), El poder de las tinieblas (Mario Sábato, 1979), Nazareno Cruz y el Lobo (1975) de Leonardo Favio, La Galeria del Terror – 1987, Alguien te esta mirando (Someone is watching you)1988, ‘Obsesión de Venganza’ (1987), Últimos días de la víctima (1982), LA CASA DE LAS SIETE TUMBAS (1982) Pedro Stocki, Chicos Ricos (2000) / Dir. Mariano Galperín, con Victoria Onetto), Fuego Gris –  (Pablo César, 1993), Attack of the Killer Hog (2000-Agustín Cavalieri), Trilogia Plaga Zombie Plaga Zombie (Zona Mutante)Plaga Zomie 3 – Revolución ToxicaPenumbra (2011) – 36 Pasos – Paura Flics, Hotel Infierno 2015, No Moriré Sola (2008) , El Patrón: Radiografia de un Crimen (2014), Carne (1968) – Armando Bo), Vuelve (2013), Naturaleza Morta (2014), Los inquilinos del infierno (2004), Nunca assista a este tipo de fiestas (2000) – paródia slasher), Los Olvidados(2018), Sudor Frio (2011), Malditos Sean! (2011), Relicto (Laura Sanchez), La Memoria del Muerto (2011), Necrofobia (2014), Daemonium (2015), Laura Sanchez)

[Mês do Horror] Masmorra Cast #78 Horror na Telinha

Hoje vamos recomendar séries de terror para vocês! E no final tem a análise sobre a nova temporada da minissérie de Mike Flanagan “The Haunting of Bly Manor“. Qual série você tem gostado de assistir? Recomenda para a gente!

Mencionados: Penny Dreadful (Podcasts aqui) / Série clássica Maldição Eterna (Forever Knight/1992) / O Lobisomem Ataca Novamente (Werewolf/1987) / Caso Especial (Globo) /  Historias Para No Dormir (1966/1982)/ Kolchak (Podcast aqui) / Garth Marenghi’s Darkplace (2004/ Veja Online aqui) / What We Do In The Shadows ( 2019) / Wellington Paranormal (2018) / Drácula da BBC (2020) / Documentário In Seach of Dracula with Mark Gatiss (2020)/ A History of Horror with Mark Gatiss (2010 – Veja online aqui) / Castle Rock (2018) / The Outsider (2020) / Mr. Mercedes (2017) / NOS4A2 (2019)

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Facebook: MasmorraCine Twitter: @Masmorra_Cast

Clique aqui e acesse o melhor grupo dos Fãs de Além da Imaginação no Facebook!

Gosta do nosso trabalho e quer que ele continue? Seja nosso padrinho ou madrinha nos apoiando no Padrim ou no Colabora aí

Masmorra Cast #77 Junji Ito: Artesão das Obsessões

Angélica Hellish e Marcos Noriega recebem Rodolpho Sá, do Podcast Los Chicos, para conversar um pouco sobre a obra do mangaká Junji Ito, um grande artista da temática do horror e também falar suas impressões sobre a série animada Junji Ito Collection (Junji Itô: Korekushon/2018) baseada em algumas de suas histórias mais famosas.

Mencionamos: Podtrash sobre Gyo: Tokyo Fish Attack / Download de vários mangás em espanhol, inclusive Gyo, cortesia do fórum La Mansion del CRG (mas você pode ler vários AQUI e em português online/ Filme Uzumaki (legendado) / Puppet Master (O Mestre dos Brinquedos/1989) /  Tales of Terror (1962) / Podcast e episódios de Ghost Stories For Christmas da BBC

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEED: https://masmorracine.com.br/feed/podcastAssine  e conheça todos os nossos podcasts

[Mês do Horror] Masmorra Cast #76 Áudio Drama: A Ressuscitada

Marcos Noriega faz a leitura dramática do conto clássico de horror de Emília Pardo Bazán (1851/1921) “A Ressuscitada” Publicado em 1908, “La resucitada” é um dos relatos classificáveis como do gênero fantástico no conjunto dos mais de 600 contos que compõem a obra da autora mais comumente reconhecida por sua prosa de viés realista-naturalista. Narrado em terceira pessoa, conta a história de Dorotéa, mulher casada que, tendo despertado certa noite, percebe que se encontra deitada num jazigo da família, o que a leva a supor ter sido dada como morta; então ela se levanta e retorna ao casarão familiar, desejosa de reassumir seu lugar junto ao marido, os filhos e os criados; para contrariedade sua, sua reaparição provoca profundo desconforto.

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Facebook: MasmorraCine Twitter: @Masmorra_Cast

Clique aqui e acesse o melhor grupo dos Fãs de Além da Imaginação no Facebook!

Gosta do nosso trabalho e quer que ele continue? Seja nosso padrinho ou madrinha nos apoiando no Padrim ou no Colabora aí.


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts</em

[Mês do Horror] Masmorra Cast #75 Mansões Assombradas do Cinema

Voltamos com o #MêsDoHorror na Masmorra! E para começar nossos programas deste mês tão especial para os fãs de horror batemos um papo sobre filmes que se passam em mansões, aproveitando a estréia da minissérie de Mike Flanagan, A Maldição da Mansão Bly – “The Haunting of Bly Manor” que traz um novo olhar sobre o conto clássico de Henry James ” A Outra Volta do Parafuso”! Venha conosco conhecer grandes representantes do gênero. Clique no nome do filme para assistir!


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Mencionados:

Os Inocentes (1961) / A Casa da Noite Eterna (1973) / O Solar das Almas Perdidas (1944) / A Casa dos Maus Espíritos (1959) / A Casa da Colina (1999) / A Troca: Intermediário do Diabo (1980) / Desafio do Além (1963) / Rose Red: A Casa Adormecida (2002) / O Diário de Ellen Rimbauer (2003) / A História da Mansão Winchester (2018) / Herança Maldita (1995) / O Castelo Assombrado (1963) / O Solar Maldito (1960) / La Herencia Valdemar (2010) / La Herencia Valdemar 2: A Sombra Proibida (2010) /  Os Outros (2001) / Os que chegam com a noite (1971)

Facebook: MasmorraCine Twitter: @Masmorra_Cast

Clique aqui e acesse o melhor grupo dos Fãs de Além da Imaginação no Facebook!

Gosta do nosso trabalho e quer que ele continue? Seja nosso padrinho ou madrinha nos apoiando no Padrim ou no Colabora aí.

Masmorra Cast #74 Halloween Russo, Balalaika e Sangue!


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Angélica HellishMarcos Noriega e Douglas Fricke do Podtrash se juntaram na boate Kossakou para recomendar o que há de mais interessante no horror vindo da Rússia e Leste Europeu!

Fica, que vai ter vodka! Do svidaniya tovarisch!

Acesse o nosso canal do OK.RU

Mencionados: Vyi (1967 / III-The Ritual (2015) / LOKIS – Rekopis profesora Wittembacha  aka The Bear (1970) / The She-Wolf (Wilczyca-1983) / Ferat Vampire (1982) /  The Cremator (1968) / Taxidermia (2006) / Queda Livre (2014) / Mister Designer (1987) / Dead Daughters (2007) / Visions of Suffering (2006) / Trackman (2007) / Dead, Father Frost Is Dead (1992) / The Green Elephant (1999) / Dark Waters (1993) / O Manuscrito de Saragoça (1965) / Vá e Veja (1985) / Valerie e sua semana de deslumbramento (1970) / Alice (1988) / Little Otik (2000) / Heart of a Dog (1988) / Leptirica (1973) / Izbavitelj (1976) – The Rat Savior / The White Ship (1975) / Why Don’t you Just Die? (2018) / Werewolf-Orderlies (1984) / Vesna (1987) / Hasfalmetszők – amatőr játékfilm (1999) / Aelita (1924) / Land of Sannikov (1973) / Cartas de um homem morto (1986) / Stalker (1979) / A Noiva (2017) / O Caso dos Dez Negrinhos (Versão Russa para TV-1987) / Philosophy of a Knife  (2008)

Masmorra Cast #68 O Melhor do Horror em 2018!


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

2018 foi um ano muito expressivo para os fãs de terror! Angélica Hellish convidou Luciano de Miranda, um dos administradores do grupo Acervo Scary, cineclubista no interior de São Paulo e que também administra a página Cine Crânio no Facebook, e Alan Bispo para uma conversa divertida e cheia de indicações de bons filmes!

Participação de Marcos Noriega.

Mencionados: MandyMon and DadMedo ProfundoA Casa Que Jack ConstruiuGhostlandThe Strangers: Prey at NightSatan’s SlavesAwait Further InstructionsCam (Netflix), ERRATA: Angélica falou Like Me, mas o nome do filme é Ingrid Goes West!  Ghost StoriesUpgradeCold SkinThe EndlessDon’t Open Your EyesThe DarkBird Box (Netflix), DownrangeA Quiet PlaceThe Ritual (Netflix), RevengeHereditaryThruth or DareThe Cloverfield ParadoxThe Cloverhitch KillerThe Night Eats The WorldThe MegPatient ZeroAnna and The ApocalipseHagazussaNovemberPyewacketRavenousA Mata NegraO Animal CordialAs Boas ManeirasMorto Não FalaOs Tigres Não Têm MedoTraumaPlano-Sequência dos MortosFortuna Maldita (Netflix) , Vampyr VidarBoarding SchoolErrementari (Netflix) (Netflix), Dead NightArgila VampiraCalibre (Netflix), DistúrbioValley of ShadowsVocê Nunca Esteve Realmente AquiAniquilaçãoDead ShackTragedy GirlsA FreiraLast ShiftUnfriended: Dark Web.

Agradecemos as colaborações em áudio dos amigos: Tullio Dias,  De Sorel , Táti RegisAllan Júlio dos SantosCarlos PrimatiDiogo ScoobyDudu TorresCarlos LariosDaniel Burle OrlandineChico FiremanNina VatimEverton CordeiroPaulo ElacheTony Sarkis, e Vinícius Brandão.

Muito obrigada!

Apoie nosso trabalho! Acesse o nosso Padrim e colabore com qualquer valor.

Acesse Cineclube da Masmorra

Masmorra Cast #67 Ghost Stories for Christmas da BBC.


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts
No nosso especial de Natal trouxemos para vocês um bate papo sobre as adaptações para a televisão dos contos do escritor e medievalista Monthague Rhodes James, (ou M.R. James) uma tradição britânica dos anos de 1971 à 1978 e revivida nos anos 2000, a série Omnibus com o já clássico Whistle and I’ll Come to You, destacando a linda adaptação de Sheridan Le Fanu, Schalcken the Painter.

Os especiais também adaptaram um conto de Charles Dickens, The Signalman, e houveram dois episódios com roteiros originais de Clive Exton e John Bowes.

Angélica Hellish conversa com Rodrigo Emanoel Fernandes do Blog Reminiscências de Um Lorde Velho, que fez um trabalho excelente resgatando e legendando esse conteúdo para os amantes do gênero fantástico aqui no Brasil.

O Masmorra deseja um Feliz Natal para vocês!

Leitura de trechos dos contos feita por Marcos Noriega.

DICA: Acesse agora mesmo a postagem Ghost Stories for Christmas: A Tradição Natalina do Horror Gótico Britânico, no Reminiscências de Um Lorde Velho.

Acesse: Cineclube da Masmorra

Assista ao documentário produzido pela BBC em 2013 e apresentado por Mark Gatiss na página no Facebook do Reminiscências de Um Lorde Velho. Legendado PT-BR

Assistir: BBC A History of Horror with Mark Gatiss (PT-BR)

CLIQUE NO NOME PARA SER DIRECIONADO:

1 – Frankenstein Goes to Hollywood:

No primeiro de uma série de três partes, Mark Gatiss explora a idade de ouro do terror de Hollywood, que se estende desde seus primeiros dias no cinema mudo dos anos 20 até as clássicas imagens de monstros dos anos 30. O apoio da BBC permite-lhe um acesso notavelmente exclusivo, desde uma exploração de todo o conjunto muito bonito de O Fantasma da Ópera , de 1925 e ao kit de maquiagem da estrela do filme, Lon Chaney.

2- Home Counties Horror:

Tendo explorado a era dourada de terror dos anos 30 e 40 de Hollywood, Mark Gatiss volta para casa para mostrar como o Reino Unido cultivou sua própria obsessão com o macabro em meados dos anos 50.

Os filmes A Maldição de Frankenstein e Drácula criaram estrelas como Peter Cushing e Christopher Lee, e o uso escabroso da cor teria um profundo efeito sobre os cineastas dos Estados Unidos e da Europa. A influência de Hammer pode ser vista na onda de horror italiana provocada por Black Sunday , de Mario Bava , e nas clássicas adaptações de Poe, feitas por Roger Corman nos EUA.

3- The American Scream:

Atingido pelo sucesso do thriller de Hitchcock, Psycho, em 1960, a última parte da década viu um renascimento explosivo do gênero horror, graças em grande parte ao inovador A Noite dos Mortos Vivos , de baixo orçamento .

A terceira e última parte de A History Of Horror mostra o progresso desse gênero de renascimento, quando Mark Gatiss contrasta os caros e sobrenaturais filmes de Hollywood do final dos anos 60 e 70 (O Bebê de Rosemary, O Exorcista , A Profecia) contra o horror decididamente secular. de filmes independentes de baixo orçamento, como O Massacre da Serra Elétrica.

Extra: Horror Europa.

Escrito e apresentado por Mark Gatiss, o documentário viaja pela história do cinema de terror europeu: das visões de pesadelo do expressionismo alemão aos assassinos de luvas pretas dos filmes italianos de Giallo, das vampiras lésbicas na Bélgica aos fantasmas da Guerra Civil Espanhola. Visitando os principais locais de filmagem e conhecendo alguns dos melhores talentos do gênero, Horror Europa Com Mark Gatiss mostra em 90 minutos como o turbulento século 20 neste continente forjou uma extraordinária e diversificada tradição de horror.

Escute os podcasts que publicamos com referências aos temas!

(Horror Britânico) Masmorra Cast, Hora do Chá Com 2 Cubos de Sangue!

(Horror Europeu)

Masmorra Cast, Halloween Italiano con Molto Terrore e Paura con la Salsa di Pomodoro!

França: Masmorra Cast, Halloween Made in France (com biquinho)

Espanha: Masmorra Cast, Especial Dia de Las Brujas (con muy horror!)

Três Extremos (2002) Segmento: Indo para Casa

O investigador Chan (Eric Tsang) e seu filho Cheung (Li Ting-Fung) mudam-se para um prédio degradado e ameaçado de demolição.
No condomínio do outro lado da rua residem Yu (Leon Lai) e sua esposa Hai’er (Eugenia Yuan), que está paralisada da cintura para baixo. Quase imediatamente após a chegada, o menino Cheung começa a ver e ouvir coisas estranhas, e com o seu pai no
trabalho, deve enfrentá-las sozinho. Logo depois de começar investigar o prédio, Cheung desaparece. Chan volta para casa e
começa a procurar freneticamente por seu filho perdido. Ele confronta Yu que nega qualquer conhecimento de seu filho. Não
acreditando em sua palavra, procura no apartamento e é preso quando Yu descobre.

02

Originalmente inserida na antologia asiática de horror de 2002, Three II (San Geng), de Peter Ho-Sun Chan, “Indo para Casa”
(Going Home) rapidamente se firmou como o segmento claramente superior desse lote. Depois de receber elogios da crítica e de
ser nomeado em 9 categorias no Festival de Cinema de Hong Kong de 2003, a Panorama Entertainment publicou uma edição com a
versão extendida do diretor.

03
Indo para casa é um exemplo surpreendente de narrativa e produção. Com seu tempo de execução relativamente curto, o filme
mede perfeitamente todos os aspectos cruciais da narrativa. Equilibra observações inteligentes sobre amor, perda, normas
sociais, e elas são importantes para a aparência e a normalidade do nosso cotidiano. Ele enfatiza o significado das memórias e fotografias como a única conexão real com os entes queridos perdidos pelo tempo, não importando o grau que tentemos
desesperadamente manter. É também um dos poucos filmes que usa as convenções mais “esparsas” e “Grand Guignol” para dar uma
perspectiva ainda de mais poder emocional e sofrimento real. As revelações e a conclusão são verdadeiramente profundas e muito
impressionantes. A história lhe dá as chaves para uma compreensão clara do subtexto.

04

A atuação é soberba. Eric Tsang como o pai de Cheung, Chan, dá ao personagem uma atmosfera universal e atraente que, mesmo em
uma situação difícil, coloca seu filho como prioridade. Leon Lai (cujo desempenho lhe rendeu um Cavalo Dourado Taiwanês de
2002) retrata Yu como um homem lógico e educado, cuja mente está nas trevas, e mesmo assim, tenta com intenso amor e
dedicação, derrotar um dos fatos mais contundentes da realidade. Eugenia Yuan como a esposa de Yu, Hai’er, embora faça
basicamente ter um monólogo no final, não deixa de ser igualmente excelente, ela ganhou a honra de Melhor Artista Novo no
Festival de Cinema de Hong Kong de 2003 por este filme. A direção de Peter Chan é direta e ganha ainda mais força, simplesmente não seria o mesmo com excessivos ângulos de câmera abstratos e flash desnecessário. O filme é discreto, A filtro verde é creditado ao diretor de fotografia Christopher Doyle e ao diretor de arte Hai Chung Man, fazendo um excelente trabalho de capturar a decadência urbana e perceber a essência do filme de melancolia monótona. A trilha de Cho Sung-Woo e Peter Kam, também é digna de nota devido ao uso de formas mais tradicionais de estilos musicais como a orquestração operística, que tecem delicados tentáculos de compaixão e apreensão nas imagens com pinceladas magistrais.

10

Conclusão:

Uma obra-prima da aplicação da temática padrão do Horror para colher sensibilidades profundas e tocantes comuns a todas as pessoas. Um filme que você precisa ver.

Dirigido por Peter Ho-Sun Chan https://www.imdb.com/title/tt0324242/

História de Matt Chow e Jojo Hui

2002, 61 minutos.

13
Estrelando:

Leon Lai

Eric Tsang

Li Ting-Fung

Eugenia Yuan

Disponibilizamos na nossa página no Facebook: Curta e compartilhe!

Escute o nosso programa sobre horror chinês onde é mencionado este segmento!

O Teatro do Grand-Guignol

Por Agnes Peirron

Casa dos Horrores:

Em 1897, o dramaturgo francês e commissaire de Paris, Oscar Metenier, comprou um teatro no final do impasse Chaptal, um beco sem saída no distrito de Pigalle, em Paris, para produzir suas controversas peças naturalistas. O menor teatro de Paris, também foi o mais atípico. Dois grandes anjos estavam pendurados acima da orquestra e os painéis de madeira neogótica do teatro; e as caixas, com suas grades de ferro, pareciam confessionários (na verdade, o prédio era uma capela).

Fachada

Le Théâtre du Grand-Guignol– que significa literalmente o “grande teatro de marionetes” – recebeu esse nome do popular personagem de marionetes francês Guignol , cuja encarnação original era como um comentarista social sincero – um porta-voz dos canuts, ou trabalhadores da seda. de Lyon. Os primeiros espetáculos de marionetes de Guignol eram freqüentemente censurados pela força policial de Napoleão III.

Oscar Metenier era ele mesmo um alvo frequente de censura por ter a audácia de retratar um ambiente que nunca antes aparecera no palco – o de vagabundos, crianças de rua, prostitutas, criminosos e “apaches”, como mocassins de rua e vigaristas eram chamados na época – e, além disso, por permitir que esses personagens se expressem em sua própria língua. Uma das primeiras peças do Grand-Guignol, a Mademoiselle Fifi de Metenier (baseada no romance de Guy de Maupassant), que foi temporariamente fechada pelos censores da polícia, apresentou a primeira prostituta no palco; sua peça subseqüente, Lui !, uniu uma prostituta e uma criminosa no espaço fechado de um quarto de hotel. Metenier foi Guignol crescido, ou grandi …

O Teatro du Grand-Guignol foi um sucesso imediato. Sem perceber, Metenier havia colocado a primeira pedra no edifício do repertório do Grand-Guignol, que duraria mais de meio século. Pouco a pouco e quase por acaso, nasceu um novo gênero.

Production photo

Metenier foi sucedido como diretor em 1898 por Max Maurey, que era desconhecido nos círculos artísticos, mas tinha experiência prática no teatro. Foi Maurey quem, de 1898 a 1914, transformou o Theatre du Grand-Guignol numa casa de horror. Ele mediu o sucesso de uma peça pelo número de pessoas que desmaiaram durante a apresentação e, para atrair publicidade, contratou um médico para tratar os espectadores mais medrosos. Foi também Maurey quem descobriu o romancista e dramaturgo Andre de Lorde – “o Príncipe do Terror”. Sob a influência de de Lorde (que colaborou em várias peças com seu terapeuta, o psicólogo experimental Alfred Binet), a insanidade tornou-se o tema do Grande-Guignolesco por excelência. No momento em que a insanidade estava apenas começando a ser cientificamente estudada e os casos individuais catalogados, o repertório de Grand-Guignol explorou inúmeras manias e “gostos especiais”: Andre de Lorde e L’Homme de la Nuit (O Homem da Noite), de Leo Marches, por exemplo, apresentaram um necrofílico, que estranhamente se assemelhava ao sargento Bertrand, condenado em 1849 por violar tumbas e mutilar cadáveres. L’Horrible Passion (A paixão horrível), de Andre de Lorde e Henri Bauche, retratou uma jovem babá que estrangulou as crianças sob seus cuidados. (Como Metenier, de Lorde era frequentemente alvo de censura, particularmente na Inglaterra, onde as produções em turnê marcadas de duas de suas peças eram canceladas pelos censores de Lorde Chamberlain.

O teatro da época, que se deleitava em cenários de vaudeville e burguesia, não podia suportar a visão de sangue ou cadáveres no palco.) Andre de Lorde e L’Homme de la Nuit (O Homem da Noite), de Leo Marches, por exemplo, apresentaram um necrofílico, que se assemelhava estranhamente ao sargento Bertrand, um homem condenado em 1849 por violar tumbas e mutilar cadáveres.

O medo do “outro” apareceu no Grand-Guignol em inúmeras variações: medo do proletariado, medo do desconhecido, medo do estrangeiro, medo do contágio (pois todo o sangue derramado, o esperma ejaculado e o suor escorriam ali, Grand Guignol teve que sentir algum grau de nostalgia pela limpeza). Os heróis de Paul Cloquemin e Paul Gardier de Paul Autier (Guardiões do Farol) e do Regimento Le Beau de Robert Francheville (The Handsome Regiment) tinham raiva. A lepra dizimou os passageiros do navio Le Navire aveugle, de Max Maurey, e os empregados de L’Auberge Rouge (The Red Inn), de Roland Dreyfus, foram vítimas de uma doença misteriosa. Em várias peças, entre elas La Fosse aux filles, de Maurey, um visitante de um bordel foi exposto à sífilis.

Mas o que levou o Grand Guignol ao seu nível mais alto foram os limites e limiares que ele cruzou: os estados de consciência alterados por drogas ou hipnose. Perda de consciência, perda de controle, pânico: temas com os quais o público do teatro poderia facilmente se identificar. Quando os dramaturgos do Grand-Guignol expressaram interesse na guilhotina, o que mais os fascinou foram as últimas convulsões no rosto decapitado. E se a cabeça continuasse a pensar sem o corpo? A passagem de um estado para outro foi o cerne do gênero.

Maxa

Camille Choisy, que dirigiu o teatro de 1914 a 1930, trouxe consigo uma série de efeitos especiais em iluminação e som. Sob sua direção, a encenação ultrapassou o texto. Uma vez comprou uma sala de cirurgia totalmente equipada como pretexto para uma nova peça. Em 1917, ele contratou a atriz Paula Maxa, que logo ficou conhecida como “a Sarah Bernhardt do horror”. Durante sua carreira no Grand-Guignol, Maxa, “a mulher mais assassinada do mundo“, foi submetida a uma série de torturas únicas na história teatral: ela foi baleada com um rifle e com um revólver, escalpelada, estrangulada, estripada, estuprada, guilhotinada, enforcada, esquartejada, queimada, serrada ao meio com instrumentos cirúrgicos e lancetas, cortada em oitenta e três pedaços por um punhal invisível, picada por um escorpião, envenenada com arsênico, devorada por um puma, estrangulada por um colar de pérolas e chicoteada; ela também foi desmaiada com um buquê de rosas, beijada por um leproso, e submetida a uma metamorfose muito incomum, descrita por um crítico de teatro: “Duzentas noites seguidas, ela simplesmente se decompôs no palco em frente a uma audiência que não teria trocado suas cadeiras nem por todo o ouro do mundo. A operação durou dois bons minutos durante os quais a jovem se transformou pouco a pouco em um cadáver abominável ”.

Para permitir ao público alguma libertação das tensões inspiradas pelo medo e pela insanidade, uma noite no Grand-Guignol alternou o drama com a comédia para criar uma espécie de efeito quente e frio. Assim, depois de experimentar o horrível, a platéia pôde se recompor com nomes como Ernestine est enragee, Adele est grosse, ou Hue! Cocotte! (Ei! Cocotte!) Se o Grand-Guignol era um teatro popular em ambos os significados da palavra – era frequentado por moradores locais e também pela audiência de sobrancelhas mais altas da Comédie Française – não era um assunto público. Ir ao Grande Guignol era menos um ato social do que privado e certos membros da platéia preferiam não ser vistos. Algumas testemunhas relataram que as caixas de ferro grelhado na parte de trás do teatro encorajaram um certo “extremismo”. especialmente durante a segunda-feira, quando as mulheres muitas vezes se preparavam para o adultério atirando-se, meio mortas com terror, nos braços dos vizinhos: flerte, estilo Grand-Guignol. A equipe de limpeza, muitas vezes encontrava os lugares manchados.

Esqueleto

Com a chegada de Jack Jouvin, que dirigiu o teatro de 1930 a 1937, o repertório mudou de sangue para drama psicológico. Querendo ter controle total sobre o teatro, Jouvin expulsou Maxa, que, em sua opinião, estava roubando os holofotes. A falta de talento de Jouvin e sua ambição pessoal desencadearam a eventual queda do Grand-Guignol. Nascimento, evolução, morte: o gênero semeou a semente de seu próprio declínio quando começou a se parodiar. A abundância de elementos aterrorizantes nas peças posteriores tornou-se tão esmagadora que eles não eram mais críveis. Na Segunda Guerra Mundial, o teatro começava a vacilar, carregado pelo seu próprio excesso. A guerra lidou com o golpe final da morte. A realidade ultrapassou a ficção e a assistência às performances do pós-guerra diminuiu. Na primavera de 1958, Anais Nin comentou sobre seu declínio em seu diário: “Entreguei-me ao Grand-Guignol, à sua imundície imunda que costumava causar tais arrepios de horror, que costumavam petrificar-nos com terror. Todos os nossos pesadelos de sadismo e perversão foram jogados naquele palco … O teatro estava vazio “.

Em uma entrevista realizada imediatamente após o Grand-Guignol fechar em 1962, Charles Nonon, seu último diretor, explicou: “Nunca poderíamos competir com Buchenwald*. Antes da guerra, todos acreditavam que o que acontecia no palco era puramente imaginário; agora sabemos que estas coisas -e coisas piores ainda – são possíveis “. . .

 

Masmorra Cast #65 Halloween Brazuca!

Voltamos com mais um Masmorra Cast.

Desta vez o podcast de terror do mês de Halloween tem sabor de feijoada e ritmo de samba, falamos dos filmes sinistros que o nosso estranho país produziu através das últimas décadas e derrubamos o mito de que há pouco terror no cinema brazuca.

Para esse bate papo Angélica Hellish e Marcos Noriega convidaram o nosso amigo Douglas Fricke do Podtrash e também contamos com a ilustre presença de  Laura Loguercio Cánepa, jornalista e pesquisadora de cinema de gênero e que atua como Docente e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOSSO FEEDhttps://masmorracine.com.br/feed/podcast/ Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 
COLABORE COM O MASMORRA NO PADRIM

Alguns filmes mencionados:

As Boas Maneiras de Marco Dutra, Juliana Rojas (2017)

O Anjo da Noite de Walter Hugo Khouri (1974)

Vinil Verde e A Menina do Algodão de Kleber Mendonça Filho (2004)
Mal Nosso de Samuel Galli (2017)
O Duplo e Um Ramo, de Juliana Rojas (2012)
O Estranho Mundo de Zé do Caixão de José Mojica Marins (1968)
Um Ramo de Marco Dutra e Juliana Rojas (2007)
As Filhas do Fogo de Walter Hugo Khouri (1978)
Caiçara  de Adolfo Celi, Tom Payne e John Waterhouse (1950)
Quando Eu Era Vivo de Marco Dutra (2014)
O Animal Cordial (2018) Curtas: A Mão que Afaga, Uma Primavera, de Gabriela Amaral Almeida.
ABCs of Death ” J for Jesus” , Ninjas,  Morto Não Fala, Curta: Amor Só de Mãe de Dennison Ramalho.
Macumba Love de Douglas Fowley (1959)
Inferno Carnal de José Mojica Marins (1976)
Curuçu O Terror do Amazonas de Curt Siodmak (1956)
Mar Negro de Rodrigo Aragão (2013)
O Caseiro de Julio Santi (2016)
Alameda da Saudade, 113 de Carlos Ortiz (1950)
Condado Macabro de Marcos DeBrito (2015)
Atração Satânica de Fauzi Mansur (1990)
A Hora do Medo de Francisco Cavalcanti, José Mojica Marins (1986)
Joelma 23º andar de Clery Cunha (1980)
As Fábulas Negras de Rodrigo Aragão, Petter Baiestorf, Joel Caetano (2015)
(Curta) O Membro Decaído de Lucas Sá (2012)
Sinfonia da Necrópole de Juliana Rojas (2014)
Ninfas Diabólicas de John Doo (1978)
A Mulher Que Inventou o Amor  de Jean Garret (1979)
Lilian, a Suja de Antonio Meliande (1981)
Desaparecidos de David Schürmann (2011)
Amuleto de Jeferson De (2014)
Aqui, Tarados de David Cardoso, John Doo (1981)
Trabalhar Cansa de  Marco Dutra, Juliana Rojas (2011)
Zombio 2 e Curtição do Avacalho de Petter Baiestorf (2006)
Os Famosos e os Duendes da Morte de Esmir Filho (2009)
Acesse também
Canibuk de Peter Baiestorf

 

Masmorra Cast #62 Halloween con El Sombrero

Finalmente! Tardamos mas não falhamos! Agora sim, o nosso especial de Halloween comentando o cinema de gênero de outros países, e dessa vez o país selecionado foi México.

Prepare-se para muitas emoções e excelentes recomendações com Angélica Hellish, Marcos Noriega e Douglas Fricke do Podtrash. E Viva El México!

Mencionados: El Violador Infernal (1988) Damián Acosta Esparza , The Mansion of Madness (1973) Juan López Moctezuma , Santa Sangre (1989) Alejandro Jodorowsky , Santo El Vampiro Y El Sexo (1969),  El Libro de Piedra (1969) Carlos Enrique Taboada, Alucarda (1977) Juan López Moctezuma . Cronos (1993) Guillermo del Toro

E o Masmorra saiu na Revista Mundo Estranho dentro das recomendações de podcast para escutar no Halloween, com muita gente legal que faz podcast com a temática de terror na podosfera brasileira! O Eder Santana recomendou o nosso episódio Halloween Britânico: Hora do Chá com Dois Cubos de Sangue! Muito Obrigada! ❤

Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO

Grupo: Cinema Underground no Brasil e no Mundo

[Mês do Horror] Bate papo sobre a “polêmica” do Pós Terror.

Olá ouvintes da Masmorra! Hoje o bate papo será sobre a tentativa do jornalista Steve Rose de criar um sub-gênero, o PÓS TERROR, com a sua crítica publicada no The Guardian. Seu texto que analisava essa “onda” de filmes independentes de terror que se arriscam a fugir das convenções do gênero e, por isso (de acordo com ele), não são bem recebidos pelo grande público fã de filmes de terror.

Angélica Hellish convidou Alex Luiz do Cine Alerta e o crítico Filipe Pereira do Vortex Cultural, VHS Podcast e também do Canal Brisa de Cultura

Escute o podcast do Cine Alerta sobre Preacher

Escute o podcast do Vortex Cultural sobre Literatura

Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO

NÃO ESQUEÇAM! OS PODCASTS DO MÊS DO HORROR ESTÃO SAINDO NESSE FEED AQUI

https://masmorracine.wordpress.com/feed/

Acesse e curta as páginas do Facebook: Cine Masmorra

Grupo: Cinema Underground no Brasil e no Mundo

 

[Mês do Horror] Adaptações de Clive Barker com o Sexta Cast!

Chegando na reta final do Mês do Horror, Angélica Hellish convidou toda a galera do Sexta Cast para conversar sobre as adaptações para a telona da obra, cruel, sangrenta e altamente fetichista, do cultuado escritor e diretor inglês Clive Barker.

Escute as opiniões dos amigos Marlon Master, Evandro Sal e Dayana Sartorio, um papo muito divertido e imperdível!

Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO

NÃO ESQUEÇAM! OS PODCASTS DO MÊS DO HORROR ESTÃO SAINDO NESSE FEED AQUI

https://masmorracine.wordpress.com/feed/

Acesse e curta as páginas do Facebook: Cine Masmorra

Grupo: Cinema Underground no Brasil e no Mundo