Sessão Descarrego #02 O que tá pegando Gotham?

Voltamos com mais uma Sessão Descarrego! Angélica Hellish convidou os amigos Alexandre Luiz do Cinealerta e Alan Bispo de Araújo para falar sobre a série de TV Gotham. Afinal, o que tá pegando?

Programa engraçadíssimo. Escute com fones!

 


Feed||Twitter|Instagram|Padrim

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
 http://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 
COLABORE COM O MASMORRA NO PADRIM

Leiam as resenhas de Gotham no Cinealerta.

 

Anúncios

Calabouço da Liv #08 – O que é que a Nova Zelândia tem?

Visit-New-Zealand-Landscape-With-Road-and-Snowy-Mountains-Southern-Alps-New-Zealand-1600x1047.jpg

A maioria das pessoas conhece a Nova Zelândia por ser o cenário das trilogias da Terra Média, com suas montanhas esplendorosas e os infinitos campos verdes. Realmente, o país já foi local de diversos filmes e séries devido a sua beleza natural. Xena – A Princesa Guerreira, Avatar, O Último Samurai e Spartacus são apenas algumas das obras que foram gravadas por lá. Peter Jackson e Jane Campion são dois diretores neozelandeses muito famosos internacionalmente, ambos já ganharam Oscars, e gostam muito de explorar as paisagens locais em seus filmes. Se eu fosse uma diretora lá também exploraria, afinal, o país é lindíssimo mesmo, e a sua aura etérea é intemporal.

Continuar lendo

Calabouço da Liv #07 – A Licantropia e o Feminino

snow-wolf-1-1.jpg

Mitos e lendas são extremamente importantes, não só para refletirem uma época e uma cultura, mas para servirem de metáfora. Os mitos de lobisomens estão entre os mais comuns, contados pelo mundo inteiro, seja no interior de Minas ou numa cidadezinha da Polônia. Algumas pessoas realmente acreditam terem visto o bicho perambulando nas matas ao redor de sua casa, e quem sou eu para desrespeitar ou descreditar tais crenças.

O mito do lobisomem já foi utilizado de mil jeitos diferentes no cinema, na maioria das vezes de forma literal: uma pessoa desafortunada que acaba sendo mordida e sai matando todo mundo que cruzar seu caminho. É a maneira mais simples e talvez a que atraia mais público, afinal, quem não gosta de um gore supernatural? Como exemplos famosos temos Um Lobisomem Americano em Londres (An American Werewolf in London, 1981), Cães de Caça (Dog Soldiers, 2002), Grito de Horror (The Howling, 1981) e O Lobisomem (The Wolfman, 2010). Porém, o papo aqui é outro, então vou deixar esses filmes de lado.

Continuar lendo

Calabouço da Liv #06 – Mais do que piratas

Black Sails OST - The Parsons Farewell - YouTube.jpg

Nós estamos vivendo um momento muito bonito em relação às séries de TV (ou por streaming). Produções grandiosas, com efeitos dignos de blockbusters, atores de cinema famosos e roteiros bem criativos. É tanta série nova que fica difícil acompanhar, e por isso algumas acabam ficando escondidas e esquecidas pela maioria do público. Hoje eu escolhi falar de uma dessas criações maravilhosas, uma das minhas séries favoritas de todos os tempos, que, infelizmente, é negligenciada tanto pelo público quanto pelas premiações: Black Sails.

Continuar lendo

Calabouço da Liv #05 – Quem nunca teve Um Dia de Cão?

 

dogday1

Filmes baseados em ‘fatos reais’ são bem frequentes no cinema. Afinal, a vida é bem maluca sem precisar de ajuda, e certos acontecimentos cotidianos parecem já terem saído da mente de algum roteirista criativo. O filme que escolhi para falar hoje é uma dessas histórias bizarras que tinham de virar filmes pelo simples fator absurdo que elas têm.

Em agosto de 1972, John Wojtowicz e Sal Naturale assaltaram o Chase Manhattan Bank, e o que tinha tudo para ser só mais um ato criminoso foi na verdade um acontecimento pra lá de incomum. Tão incomum que a revista Life escreveu um artigo sobre o caso intitulado “The Boys in the Bank” (Os Garotos no Banco), e é a partir deste artigo que o filme Um Dia de Cão (Dog Day Afternoon, 1975) foi feito.

Continuar lendo

Masmorra Cast #59 The Mist ou como tem coisas do Stephen King que não são legais!

Voltamos com o Masmorra Cast! E ele tá com jeitão de Sessão Descarrego hahaha

Angélica Hellish convidou as amigas Erika Ribeiro do Seriadores Anônimos e Niia Silveira colunista do 101 Horror Movies para bater um papo sobre algumas adaptações do Mestre King que nós gostamos e, pensando na estréia da série The Mist, do que não gostamos. Um papo super leve e divertido onde os livros também são abordados!


Feed||Twitter|Instagram|Padrim
PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Leia o texto da Niia Silveira sobre a série The Mist  no 101 Horror Movies!

Escute os podcasts do Projeto Stephen King lá no Stephen King Brasil! O projeto voltou, então fiquem de olho.

Black Butterfly que quer ser Misery

Calabouço da Liv #04 – Gritos no Espaço

space1.jpg

“No espaço, ninguém pode ouvir você gritar.” 

Quem não conhece essa famosa (e apavorante) frase que serviu na divulgação de Alien – O Oitavo Passageiro (Alien, 1979), dirigido por Ridley Scott, e que inspirou tantos outros cineastas a trabalharem com o gênero de terror/suspense espacial? É sobre isso que falarei hoje. Afinal, há algo mais assustador do que estar confinado em um espaço limitado no meio de um ambiente estranho e saber que existe algo com você que não deveria estar ali? E quando o confinamento é demais para a cabeça dos tripulantes? E se algo na missão não ocorrer como planejado? E o que será que é aquele sinal pedindo ajuda? Estes são apenas alguns dos temas que estão nos filmes que comentarei hoje.

Continuar lendo

Masmorra Cast #58 The Void

THE VOID BANNER

Voltamos com o Masmorra Cast! Dessa vez falamos sobre um filme que foi uma das surpresas deste ano, The Void, produção canadense escrita e dirigida por Jeremy Gillespie, Steven Kostanski. Os recursos para o filme foram obtidos através de financiamento coletivo. O longa tem recebido elogios dos fãs de cinema de gênero e traz referências à literatura de H.P. Lovecraft, Clive Barker e muito mais!

Angélica Hellish e Marcos Noriega convidaram o escritor e professor Fábio Fernandes do Canal Terra Incógnita, Douglas Fricke do Podtrash e Tauami Sales de Paula colunista do 101 Horror Movies para conversar sobre o sinistro universo apresentado nessa obra!

Assista o filme completo no Cine Nina!


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Padrim

Clique na imagem para acessar                    nosso feed

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE – SALVAR LINK COMO

FEED DO BLOG (textos e áudios de podcasts) 

https://masmorracine.wordpress.com/feed/ (Cole esse link no seu app favorito)

Mencionados: “Nightmare Logic” The Making of The Void (BTS featurette)

John Dies at the End, Absentia, Hellraiser, The Mist, The Fog, Silent HillAssault on Precinct 13 , La Herencia ValdemarNecronomiconRe-AnimatorFrom Beyond, Dagon. MartyrsRabid,  Harbinger Down, …E tu vivrai nel terrore! L’aldilà, Gyo, Altered States, The Call of Cutlhu

Dos diretores:  Inferno of the Dead,  Father’s  Day , ManborgInsanopheniaInsanopheniaThe Editor

Livros: Lovecraft Country (notícias sobre a série)

Texto do Tauami sobre The Void no 101 Horror Movies

Quadrinho:

Calabouço da Liv #03 – Precisamos falar sobre Tilda Swinton

Tilda-Swinton-modelling-592174.jpg

Katherine Mathilda Swinton, nascida em Londres, mas criada em uma cidadezinha na Escócia (onde ainda vive) é uma atriz Oscarizada super talentosa, conhecida pela sua androginia brilhante, tanto que já atuou como homem e mulher. Além de atuar, ela também é reconhecida por ser ativista em diversas causas. Em 2013, arriscou ser presa ao levantar a bandeira LGBT+ na frente do Kremlin, na Rússia, onde a “propaganda gay” é proibida. Além disso, passou dois anos na África fazendo trabalho voluntário em uma escola local. Também promoveu seu próprio festival de filmes independentes na Escócia, onde mostrou diversos longas dos mais variados países ao redor do mundo.

Continuar lendo

Calabouço da Liv #02 – As belezas e horrores do Found Footage

ff1.jpg

Afinal, o que seria o found footage? A maioria das pessoas já ouviu esse termo antes e eu arrisco dizer que já assistiu filmes nesse estilo também. O termo found footage, em uma tradução literal, quer dizer “filmagem encontrada”, ou seja, seria aquele vídeo filmado amadoramente (na maior parte das vezes, pelo menos) que foi achado em algum lugar depois de algo – geralmente ruim – ter acontecido. Essa técnica é usada, principalmente, em filmes de terror e suspense, pois ela te passa um ar de claustrofobia e te coloca no ponto de vista dos personagens, o que te faz sentir uma conexão bem maior com eles, além de muito medo (ok, ás vezes não).

Continuar lendo

VHS LOCADORA

Muito do que se comenta nas publicações do Masmorra. seja no podcast ou textos (até pela proposta de tratarmos muito mais do alternativo do que do mainstream), sempre virá a pergunta que não quer calar: “Aonde vocês conseguiram localizar esse conteúdo?” 

Resolvi então manter um post para estas dúvidas e indagações, já que me perguntam nas redes sociais.

Aqui ficarão links para blogs, streamings em geral. Tudo localizado em servidores independentes e sem vínculo com o Masmorra.

Pode perguntar. Mas cobrar é diretamente com eles.

Beijos 🙂

Rare FilmMorrison Filmes –  Séries TV –  Cine Nina –  Espaço da Sétima Arte (grupo fechado, mediante solicitação de entrada) – Amo Filmes de Terror – SpaceMonsterFilmes Épicos –  Filmes Antigos TVMovies Torrents – Filmes Cult

Video cassette tape isolated on white.

Mudamos um pouco o visual do blog pois quem fica parado, pega limo!

Todas as informações que se encontravam no sidebar à direita Padrim, Blogs legais para buscar filmes, busca por mês e ano de publicações, categorias, premiações e postagens em geral, podem ser encontradas rolando a página até o final.

Um grande beijo e excelentes filmes à todos!

Angélica Hellish

Calabouço da Liv #01 – Dicas Independentes: Capitão Fantástico e O Universo no Olhar

titl1

[Não contém spoilers]

Alguns filmes são lançados de forma tão tímida que se você não for atento acaba perdendo. É o caso da maioria dos filmes de baixo orçamento, os independentes. Mas vocês já sabem disso. O que eu quero fazer aqui de tempos em tempos é indicar alguns filmes que passam despercebidos pelo grande público, mas que apesar de serem pequenos em produção são grandes em significado e fazem bons sucessos em festivais. Nesse primeiro post vou começar por dois filmes, de certa forma, recentes: Capitão Fantástico e O Universo no Olhar. Os dois longas me emocionaram bastante por razões diferentes, mas ambos focam na complexidade das relações humanas.

Continuar lendo

Nova Escriba

Olá, pessoal!

Aqui é a Lívia, mas podem me chamar de Liv. É com muito prazer que venho me apresentar como a mais nova escriba no Masmorra!

É impossível eu não me identificar com o conteúdo alternativo presente aqui, pois desde pequena eu escrevo histórias bizarras que simplesmente brotam na minha mente. É uma maravilha quando você encontra diretores, escritores e fãs que gostam de sair do convencional pra enxergarem o mundo de uma outra perspectiva. Então podem esperar diversos posts com conteúdos variados, desde listas sobre determinado tópico cinematográfico até análises e críticas. Tudo será escrito com bastante carinho e cuidado. Eu gosto de balancear o cérebro e o coração, mas admito que boa parte do que escrevo é mais sentimental (isso não quer dizer meloso, ok? haha) do que técnico.

Muito obrigada à Angélica por essa oportunidade! Espero que você e todos gostem da minha contribuição a esse site maravilhoso!

Até o próximo post!

O Primeiro Parágrafo de Anti-herói Americano

Certa vez assisti a uma palestra sobre escrita criativa. O palestrante ensinava que toda grande obra literária começa com um parágrafo marcante. Segundo ele, o primeiro parágrafo de um grande livro funciona como um micro conto. Mesmo que estivesse isolado do todo, seria esteticamente satisfatório. O primeiro parágrafo contém a alma do texto, ou se preferir o “DNA”.

Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. (A Metamorfose de Franz Kafka).

O primeiro período da Metamorfose de Kafka funciona tão bem quanto o famoso micro conto de Augusto Monterroso:

Quando acordou o dinossauro ainda estava lá.

Quando ouvi esta explanação me perguntei se o mesmo valia para o cinema. A primeira sequência de um filme funcionaria como um curta-metragem? Consigo pensar em pelo menos um exemplo em que isso é verdadeiro.

Em Anti-herói americano (2003) Paul Giamatti interpreta a história real de Harvey Pekar, um balconista de hospital que tem uma vida tediosa e problemática. O filme mostra  Pekar tendo uma epifania ao se deparar com o atestado de óbito de uma pessoa que trabalhou a vida inteira em um emprego burocrático e sem graça como o dele. Isso, somado ao fato de ver seu amigo Robert Crumb alcançar um grande sucesso como cartunista, o inspira a criar sua própria revista em quadrinho, a American Splendor, baseada em seu cotidiano e tendo ele como o herói, ou melhor, anti-herói.

cropped-american-splendor2

Continuar lendo