Masmorra Classic # 7 – O Homem que Matou o Facínora

banner-o-homem-que-matou-facinora

Voltamos com o projeto Masmorra Classic!

Ainda vamos lançar vários podcasts antes de fechar as portas por aqui 🙂

Angélica Hellish e Marcos Noriega convidaram o amigo Paulo Elache do Podespecular Podcast para conversar sobre esse clássico inesquecível de John Ford. Falar um pouco de sua biografia e impressões das cenas e roteiro incrível baseado no conto da escritora Dorothy M. Jhonson.

O Homem que Matou o Facínora é de 1962 e conta com atuações de atores memoráveis do cinema: John Wayne , James Stewart , Lee Marvin , John Carradine , Lee Van Cleef , Edmond O’Brien , Vera Miles entre outros.

O podcast contém spoilers de todo o filme! Se preferir, assista o filme primeiro.

Youtube:

Edição realizada por Diego Pinto e Angélica.

Assine no Itunes e lembre de nos avaliar. Isso é importante.

 

Banner de Mariana

Citados: Podcast sobre Stephen King , Deadwood, Masters of Horror,

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 

Teaser – Masmorra Classic 03

Preparem-se para o próximo Masmorra Classic que estará no ar este sábado, e se preparem também para ouvir, vendo o filme! No episódio, você irá conferir tudo sobre O Homem Que Não Vendeu Sua Alma! (ou se não quiser perder o fôlego com um nome tão grande, A Man For All Seasons).

Agradecimentos ao @daniel_de_assis pelo vídeo primoroso.

Persona

Produção sueca, de 1966. Roteiro e direção de Ingmar Bergman. Com: Bibi Andersson, Liv Ullmann, Margaretha Krook, Gunnar Björnstrand, Jörgen Lindström. Premiado pela National Society of Film Critics Awards nas categorias de Melhor Filme, Melhor Atriz (Bibi Andersson) e Melhor Diretor.

Bergman, premiado cineasta, ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por “A Fonte da Virgem”, “Através de Um Espelho” e “Fanny e Alexandre”, aborda praticamente em todos os seus filme temas ligados a questões existenciais, como a consciência do eu, a mortalidade, a solidão, o pecado, a culpa. E este, que é considerado um de seus melhores filmes, é um ótimo exemplo disso.

Continuar lendo

Masmorra Classic #01 – O Imperador do Norte

Finalmente, nossa estréia em novo projeto!

O Masmorra Classic falará sempre de clássicos pouco comentados do Cinema. Mande-nos um e-mail para contato@cinemasmorra.com.br e sugira e seu clássico favorito! Começamos com Robert Aldrich, diretor de filmes como “O Vôo da Fênix”, “O Que Terá Acontecido a Baby Jane”

Angélica Hellish, Marcos Noriega Barão e Daniel Volponi, se reuniram para trocar impressões e curiosidades sobre esse interessante filme, que retrata de maneira espetacular os efeitos da grande depressão americana de 1929.

Grandes atuações de Lee Marvin, Keith Carradine e Ernest Borgnine!

Agradecemos aos amigos  Gabriel Perboni do Visão Histórica , Pablo Lopes do Bardo Nerd e ao Lucas Yassumura pelo desenvolvimento da vinheta desse podcast

>>> Comentado na leitura de e-mails:

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 

Os Incompreendidos

François Truffaut dirigiu o seu primeiro longa-metragem – Os Incompreendidos, em 1959, baseado em sua própria infância numa França marcada pelo autoritarismo dos país. Ajudando assim, a criar a Nouvelle Vague – um forte movimento artístico do cinema francês.

Antes de ser cineasta, Truffaut era crítico de cinema pela revista francesa Cachiers Du Cinema, diz a lenda que um dos motivos para qual ele resolveu largar a profissão de crítico foi por causa de uma aposta com o seu sogro, que o desafiou a fazer um longa-metragem – sendo assim nasce “Os Incompreendidos”.

“Sua vida é uma prisão”

Em um ambiente pós-segunda mundial, o método de ensino da escola francesa era regido pelo autoritarismo – a soberania total do professor sobre os alunos. Dentro do âmbito familiar não era diferente a repressão também intermediava a relação de país e filhos – no qual o filho tinha que por obrigação abaixar a cabeça diante de qualquer decisão tomada pelo pai.

Dentro desse cénario encontramos Antoine Doinel (Jean- Pierre Léaud) – o alter-ego de Truffaut. Reprimido na escola e pelos país, não demora muito tempo para o garoto se complicar diante de tanta repressão, refletindo em diversas reações, como: roubo e suspensão escolar

Sem querer entender o motivo a qual levou o filho a cometer tamanhos atos, o pai de Doinel o entregou a polícia, no intuito de ser internado em um reformatório. Desdobramentos ocorreram e o longa se fecha (finaliza) diante de uma cena antológica – quando o menino observa pela primeira vez o mar – transparecendo que sua vida a partir daquele momento pode ser tão imensa quanto o mar – naquele instante de frente ao mar ele conhecia e sentia pela primeira vez a liberdade.

” Avistando a liberdade”

O fato é que o menino não perdeu a liberdade ao ser detido em um reformatório , ele nunca a obtve ,desde cedo conviveu aprisionado, castrado de evolução , negligenciado por todos que faziam parte do seu mundo. Dessa forma suas ações levariam para o mesmo lugar – a fuga.

Com um tema que permeia até hoje na contemporaneidade – o autoritarismo dos país em cima dos filhos e a complexidade da relação entre eles, ao final do filme soube a fala que dizia na entrelinhas qual era o resultado da falta de dialogo no comportamento paterno: uma mentira profunda. Nos momentos finais, Doinel respondendo a uma pergunta da psicóloga do reformatório, que pergunta o porque mentia para os país, em sua resposta, ele diz : eles não acreditam mesmo, então prefiro mentir.

De uma trilha sonora discreta porém encatandora – a trama segue na mesma linha – um registro bem simples que conseguiu superar as expectativas da época e se tornar uma obra obrigatória a qualquer um que goste de cinema.

François já mostrava em seu primeiro trabalho o quanto brilhante seria em sua carreira e assim o tempo tratou de constatar.

Masmorracast # 06 – Animações e Nostalgia

Neste Podcast Angélica Hellish, Marcos Noriega, Mariana Bonfim e nosso colaborador Daniel Ruiz conversaram de maneira bem descontraída sobre animações.
Indicamos algumas animações como Persépolis,Fears of Dark,Renaissence ainda desconhecidas do grande público.
Comentamos as animações que permeavam nossa infância.
Filmes estranhos e séries incríveis que gostaríamos de rever.Participe conosco!Fale sobre suas animações preferidas (ou não…rsrs)
Nosso email : contato.cinemasmorra@gmail.com (Deixe sua mensagem de voz pelo G-Talk através desse email)

PARA FAZER DOWNLOAD CLIQUE AQUI COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E SELECIONE SALVAR LINK COMO

Masmorra no Twitter e no Facebook