Masmorracast Especial Ronnie James Dio – Playlist

Neste podcast Angélica HellishAldre Lima vocalista da banda Wicked Motor BandTouroman dos podcasts Pauta Livre News e FCL e Flávio Vieira do site Vortex Cultural/Podcast Agenda Cultural prestaram suas homenagens ao ícone do metal Ronnie James Dio.O lendário vocalista de bandas como ELF,RAINBOW,BLACK SABBATH e HEAVEN AND HELL.
Cantor excepcional,conhecido também por sua educação e cavalheirismo,gentileza com os fãs…
Enfim, faltam adjetivos suficientes para descrever esse grande artista que perdemos neste Domingo dia 16/05/2010 cuja personalidade única de insubstituível já nos deixa com muita saudade.
Nosso email: contato.cinemasmorra@gmail.com
Masmorracast no Orkut
e no Meu Podcast
Dio no South Park
Dio no filme Tenacius D – “Kickapoo”
Queensriche ao vivo com Dio
Dio no projeto Hear n’Aid We’re Stars LINDO!
Animação The Butterfly Ball and the Grasshopper’s Feast- “Love is All” com música cantada por Dio,muito legal!

******************************************************************

 

*******************************************************************

Ronnie James Dio, nome artístico de Ronald James Padavona (Portsmouth, 10 de julho de 1942 — Houston, 16 de maio de 2010)

foi um vocalista de heavy metal. Ficou famoso por cantar em bandas como Rainbow e Black Sabbath.
Ronnie adotou o sobrenome “Dio” em homenagem a um mafioso italiano, Johhny Dio. Ainda na escola, formou com colegas a banda Vegas Kings que, após mudar de nome várias vezes (sendo chamada de Ronnie and the Rumbles, Ronnie and the Redcaps, Ronnie Dio and the Prophets, The Eletric Elves e The Elves), finalmente tornou-se conhecida como ELF.

Em meados dos anos 70 foi chamado para cantar no Rainbow de Ritchie Blackmore (ex-Deep Purple), onde gravou quatro álbuns. Após deixar o Rainbow, foi convidado pelo guitarrista Tony Iommi para ocupar o posto de vocalista no Black Sabbath, permanecendo com a banda até 1983.

No mesmo ano, lança um álbum solo, Holy Diver. Nele estão Vinny Appice, que também tinha saído do Sabbath e acompanhou Dio, seu antigo companheiro de Rainbow Jimmy Bain e o guitarrista Vivian Campbell (atual Def Leppard). Holy Diver foi muito bem aceito e deixou clássicos como a faixa-título, “Stand Up and Shout”, “Don’t Talk to Strangers” e a mais famosa “Rainbow in the Dark”.

Embalado com o sucesso, Dio solta mais um álbum em 1984 chamado The Last in Line. Também muito bem aceito pelo público e pela crítica, trazia a mesma fórmula de Holy Diver. Foi este álbum que levou a banda a uma enorme turnê mundial seguida do seu primeiro vídeo oficial. Os músicos são os mesmos do trabalho anterior, com adição do tecladista chamado Claude Schenell.

Em 1985 lança Sacred Heart , cuja turnê rendeu um vídeo ao vivo, Sacred Heart Live.

Em 1986 sai um EP ao vivo chamado Intermission com seis músicas onde as que se destacam são “King of Rock and Roll”, “We Rock” e “Rainbow in the Dark” e uma faixa inédita de estúdio “Time To Burn” apresentando o novo guitarrista Craig Goldie que substituiu Vivian Campbell durante a turnê de Sacred Heart.

Em 1987 é lançado Dream Evil, e Dio só volta a aparecer em 1990 com Lock up the Wolves. A formação da banda é totalmente diferente das passadas. Os músicos são Rowan Robertson (guitarra), Simon Wright (bateria), Teddy Cook (baixo) e Jens Johansson (teclados).

Em 1992 Dio volta ao Black Sabbath e grava mais um álbum chamado Dehumanizer. Neste mesmo ano sai uma coletânea intitulada Diamonds The Best Of com vários clássicos da banda Dio.

No ano seguinte, Dio lança Strange Highways, seguindo a mesma linha de Dehumanizer. Em 1996 sai Angry Machines, com uma banda composta por Tracy G (guitarra), Jeff Pilson (baixo) e Vinny Appice (bateria).

Vieram ao Brasil para tocar junto com Bruce Dickinson, Jason Bonham Band e Scorpions no final de 1997. Neste mesmo ano saiu uma coletânea chamada Anthology. Em 1998 sai um CD duplo ao vivo chamado Dio’s Inferno – The Last in Live, que traz clássicos como, “Holy Diver”, “Don’t Talk to Strangers”, “The Last in Line”, e “The Mob Rules” (homônima do disco do Black Sabbath), “Mistreated” (do Deep Purple) e “Catch the Rainbow” (do Rainbow) entre outras. Algo relativo à volta do Rainbow havia sido mencionado mas com a morte do baterista Cozy Powell, a notícia permaneceu apenas como boato.

Em 2000 lança Magica, um álbum conceitual que traz de volta o estilo clássico de Dio de compor, com letras sobre magia, dragões e bruxas. Sua banda contou com a volta do magnífico Craig Goldie (guitarra), o seu fiel escudeiro Jimmy Bain (baixo), Simon Wright (bateria) e Scott Waren (teclados). No final de 2001 Goldy decide deixar a banda alegando problemas familiares e para seu lugar é recrutado o guitarrista Doug Aldrich. Com novo line up, Dio entra em estúdio e em 2002 sai Killing the Dragon que procurou repetir a mesma forma do anterior porém com um pouco mais de rapidez e peso.

Em 2003 sai seu primeiro DVD oficial, Evil or Divine
e, em 2004, o último trabalho de estúdio, Master Of The Moon, que contou com o seguinte line-up: Ronnie James Dio no vocal, Craig Goldy na guitarra, Jeff Pilson no baixo, Simon Wright na bateria e Scott Warren nos teclados; porém, quem ocupou o posto de baixista na turnê foi Rudy Sarzo.

Em 15 de julho de 2006 Dio voltou ao Brasil, desta vez trazendo a tour Holy Diver Live em comemoração aos 23 anos de lançamento do clássico disco Holy Diver. U

Em 2007 reuniu-se com os antigos companheiros de Black Sabbath, Tony Iommi, Geezer Butler e Vinny Appice, para excursionarem na promoção do álbum Black Sabbath – The Dio Years. Neste álbum estão grandes clássicos como “Neon Knights”, “Die Young”, “Falling Off The Edge Of The World”, “The Mob Rules” e três músicas novas compostas especialmente para este disco: “The Devil Cried”, “Ear in the Wall” e “Shadow of the Wind”.

Esse é o ingresso que a Angélica guardou do show do Black Sabbath com Dio no vocal

Dio também ajudou a criar uma das maiores tradições do heavy metal. No documentário Metal – A Headbanger’s Journey
ele é citado como um dos inventores do “chifrinho” feito com as mãos, imitado por fãs do gênero no mundo inteiro. Segundo ele, o símbolo era usado por sua avó italiana, e servia para afastar (ou provocar) o “mau olhado”.

Para promoverem a coletânea os quatro se reuniram sob o nome Heaven and Hell para uma turnê mundial de um ano. Um dos shows em Nova Iorque da turnê é gravado e lançado sob o nome de Live From Radio City Music Hall, dando uma “geral” em toda a discografia de Dio com o Black Sabbath. Em 2008, é lançado um box set com toda a discografia de Dio à frente do Black Sabbath, chamado The Rules Of Hell, e os músicos anunciam que entrariam em estúdio para gravarem um novo álbum, batizado de The Devil You Know, lançado em abril de 2009.

Doença e morte:
Em 25 de novembro de 2009, Wendy, sua esposa e empresária, anunciou que ele havia sido diagnosticado com câncer de estômago.
Dio iniciou o tratamento com a doença ainda no estágio inicial e havia diminuído o número de show nos últimos meses.

Em 4 de maio de 2010, o Heaven and Hell anunciou que eles estavam cancelando todas as apresentações que ocorreriam no verão por causa da condição de saúde de Dio.

Dio morreu às 7:45 da manhã (horário local) de 16 de maio de 2010, de acordo com as fontes oficiais.

Wendy disse no site oficial de Dio:

“Hoje meu coração está partido, Ronnie morreu às 7:45 da manhã de 16 de maio. Muitos, muitos amigos e familiares puderam se despedir privativamente antes que ele fosse embora pacificamente. Ronnie sabia o quanto ele era amado por todos. Nós agradecemos o amor e o apoio que vocês têm nos dado. Por favor, nos dêem alguns dias de privacidade para lidar com esta terrível perda. Por favor, tenham certeza que ele amava vocês todos e sua música viverá para sempre”
—Wendy

Fonte: Wikipedia

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 

Anúncios

Masmorracast # 23 – Documentário. A câmera crítica.

Neste podcast,Angélica Hellish,Marcos Noriega,Polly Ana e João Paulo comentaram três ótimos documentários cada um,e ressaltaram a importância de assistir esse gênero cinematográfico que traz novas perspectivas sobre problemas que a Televisão não mostra.
E aí…Qual é o seu preferido?Comenta!
contato.cinemasmorra@gmail.com

Olhar Estrangeiro
Direção:Lúcia Murat – Ano: 2006
Buena Vista Social Club
Direção:Win Wenders – Ano: 1999
The Celluloyd Closet
Direção:Rob Epstein,Jeffrey Friedman – Ano: 1995


Estamira
Direção:Marcos Prado – Ano: 2006
À Margem do Corpo
Direção:Débora Diniz – Ano: 1998
Aborto dos Outros
Direção:Carla Gallo – Ano: 2007

Bem Vindo à São Paulo
Direção: Leon Cakoff, Wolfgang Becker, Renata de Almeida, Kiju Yoshida, Mika Kaurismäki, Phillip Noyce, Caetano Veloso, Jim McBride, Hanna Elias, Maria de Medeiros, Ming-liang Tsai, Ash, Mercedes Moncada, Andrea Vecchiato, Amos Gitai, Daniela Thomas
Brasil-Brasil
Direção:Robin Denselow Ano:2007
Home – O mundo é nossa casa
Direção: Yann Arthus-Bertrand – Ano: 2009

Ilha das Flores
Direção: Jorge Furtado Ano: 1989
Muito além do Cidadão Kane
Direção: Simon Hartog – Ano: 1993
Religulous
Direção: Larry Charles – Ano: 2008

Citados no podcast:
Reel Bad Arabs – Como Hollywood Vilificou um povo
Maria Bethânia – Música é Perfume

“O vídeo documentário como instrumento de mobilização social “
Por Vanessa Zandonade e Maria Cristina de Jesus Fagundes

O documentário surgiu da característica original do cinema de registrar os acontecimentos cotidianos das pessoas e animais. As primeiras evidências históricas, enquanto gênero cinematográfico, surgiram com o norte americano Robert Flaherty, o qual acompanhou a vida dos esquimós do norte do Canadá de 1912 a 1919 e lançou o filme Nanouk, o esquimó, em 1922.
Diante da realidade brasileira, em que há um elevado grau de analfabetismo e baixo poder aquisitivo da maioria da população, o acesso à cultura e ao conhecimento, de um modo geral, torna-se `privilégio’ de poucos. A percepção dos acontecimentos da sociedade como um todo, provém, principalmente, dos meios de comunicação de massa.
A apatia da maioria da população frente aos acontecimentos diários transmitidos via mídia televisiva, deve-se à falta de compreensão das realidades veiculadas. Sem clareza das idéias, apáticos com relação aos problemas e sem a compreensão dos fatos, os membros das comunidades não conseguem se organizar em busca de melhorias. Dessa forma, desencadeia-se um processo de estagnação social, no qual os fatos são absorvidos sem nenhum questionamento. O jornalista Michael Kucinski, ressalta no livro Conceitos de jornalismo, os problemas acarretados pelos noticiários. Segundo ele: “Schulz critica as reportagens qualificando-as de superficiais e desprovidas da preocupação de assinalar as tendências fundamentais e os contextos mais amplos.”
O documentário deve promover a integração entre os membros da comunidade retratada e desenvolver a cooperação entre eles, de forma a enriquecer os conhecimentos individuais e coletivos. Possibilita ainda ao jornalista especializado no gênero, a oportunidade de dedicar-se aos fatos do cotidiano, os quais envolvem todos os tipos de pessoas, independente da raça, cor, religião, ou posição social que exercem e não considerar os “furos” de reportagem como prioridade de produção.

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook 

Beatles vão virar zumbis em adaptação cinematográfica, diz site(hahaha…”Zumbeatles”?)


Na obra, o quarteto encontra Yoko Ono e é perseguido por Mick Jagger.
Longa será uma adaptação do livro “Paul is undead”, de Alan Goldsher.

Após o ex-vocalista do Oasis Liam Gallagher anunciar uma cinebiografia sobre os Beatles, o quarteto de Liverpool devem ganhar mais uma versão cinematográfica, mas desta vez será um pouco diferente: John, Paul, Ringo e George serão formado por zumbis. De acordo com o site Deadline, o longa-metragem será uma adaptação do livro “Paul is undead” (algo como “Paul não está morto” numa tradução livre), de Alan Goldsher.

O livro mostra Lennon como um zumbi guitarrista que mata e reanima McCartney e em seguida faz o mesmo com Ringo e George Harrison. Além de músicas de sucesso, eles também vão comer cérebros dos fãs ao redor do mundo, combater uma ninja chamada Yoko Ono e ser perseguidos pelo maior caçador de zumbis: Mick Jagger.

“Como você pode não amar um livro onde Jesus concorda com o zumbi de John Lennon que os Beatles são de fato maiores que ele”, afirmou Stacey Sher, um dos sócios da produtora Doublé Feature, que divulgou o projeto: “Nós iremos em breve para os estúdios, financiadores e talentos”.

Mais zumbis
Os morto-vivos estão na moda. Eles devem ainda aparecer nas telonas na versão do livro “Orgulho e preconceito e zumbis”, de Seth Grahame-Smith, uma adaptação mais sanguinolenta do clássico de Jane Austen. O filme deve ter Natalie Portman no elenco.

Grahame-Smith também retirou do contexto original um ex-presidente americano em “Abraham Lincoln: caçador de vampiros”.

Só de sacanagem,bem que poderiam rolar mais algumas produções:

CANNES 2010: Divulgada a lista de filmes que estarão no festival


Em 15 de Abril, foram anunciados, em Paris, os filmes que participarão do 63º Festival de Cannes. São 16 longas-metragens que concorrem à Palma de Ouro, um dos prêmios de maior importância no mundo do cinema. Os filmes que integram a mostra Um Certo Olhar, Sessão da Meia-Noite e Sessão Especial também foram anunciados, além das produções exibidas e fora de competição.

Woody Allen terá seu filme You Will Meet a Tall Dark Strange exibido. O longa conta com Naomi Watts, Antonio Banderas, Anthony Hopkins, Josh Brolin e Freida Pinto no elenco. Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme, com Carey Mulligan, Shia LaBeouf, Charlie Sheen, Michael Douglas, dirigido por Oliver Stone, também ganha espaço no festival, além de Tamara Drewe, de Stephen Frears.

O Estranho Caso de Angélica, novo filme do cineasta português Manoel de Oliveira, sobre uma história de amor metafísico, terá sua estreia mundial na seleção oficial Um Certo Olhar. O filme é uma coprodução de Portugal, França, Espanha e Brasil.

O longa brasileiro 5 x Favela – Agora Por Nós Mesmos, com Paulo José e Hugo Carvana, será exibido fora de competição.

Dos filmes que concorrem à Palma de Ouro estão Biutiful, do mexicano Alejandro González Iñárritu, Another Year, de Mike Leigh, Copie Conforme, de Abbas Kiarostami, e outras 13 produções.

Mathieu Amalric, um dos rostos mais conhecidos entre os atores franceses, realiza seu terceiro longa como diretor, Tournée. Takeshi Kitano (Glória ao Cineasta), indicado à Palma de Ouro em 1999, volta à competição com Outrage. Lee Chang-dong, ex-ministro da Coréia do Sul, compete com Poetry.

Já na mostra paralela Um Certo Olhar, um dos grandes destaques é a volta de Jean-Luc Godard em Film Socialisme. A seleção também traz o veterano mais ativo do cinema, Manoel de Oliveira, com O Estranho Caso de Angélica. Nas sessões especiais, o destaque vai para Patrício Guzmán, documentarista de A Batalha do Chile, que apresenta Nostalgia de la Luz, e o ator mexicano Diego Luna, que dirige Abel.

O júri da 63ª edição de Cannes é presidido por Tim Burton e conta com os diretores Victor Erice e Shekhar Kapur, os atores Benicio Del Toro, Kate Beckinsale e Giovanna Mezzogiorno, o diretor do Museu Nacional do Cinema Italiano Alberto Barbera e o escritor, roteirista e diretor Emmanuel Carrere. O brasileiro Cacá Diegues é um dos jurados da competição de curtas e do prêmio da Cinefondation.

O Festival de Cannes acontece entre os dias 12 e 23 de maio deste ano e Robin Hood, protagonizado por Russell Crowe e dirigido por Ridley Scott, é o filme que abrirá o evento.

Filmes que competem à Palma de Ouro:

Tournée, de Mathieu Amalric
Des Hommes et des Dieux, de Xavier Beauvois
Hors la Loi, de Rachid Bouchareb
Biutiful, de Alejandro González Iñarritu
Un Homme que Crie, de Mahamat-Saleh Haroun
Housemaid, de Sangsoo Im
Copie Conforme, de Abbas Kiarostami
Outrage, de Takeshi Kitano
Poetry, de Chang-dong Lee
Another Year, de Mike Leigh
Fair Game, de Doug Liman
You. My Joy, de Sergei Loznitsa
La Nostra Vita, de Daniele Luchetti
Utomlyonnye Solntsem 2, de Nikita Mikhalov
La Princesse de Montpensier, de Bertrand Tavernier
Loong Boonmee Raleuk Chaat, de Apichatpong Weerasethakul
Rizhao Chongqing, de Wang Xiaoshuai

Mostra Um Certo Olhar:

Blue Valentine, de Derek Cianfrance
O Estranho Caso de Angélica, de Manoel de Oliveira
Les Amours Imaginaires, de Xavier Dolan
Los Labios, de Ivan Fund e Santiago Loza
Simon Werner a Disparu, de Fabrice Gobert
Film Socialisme, de Jean-Luc Godard
Unter die Stadt, de Christoph Hochhäusler
Rebecca H. (Return to the Dogs), de Lodge Kerrigan
Pál Adrienn, de Ágnes Kocsis
Udaan, de Vikramaditya Motwane
Marti, Dupa Craciun, de Radu Muntean
Chatroom, de Hideo Nakata
Aurora, de Cristi Puiu
Ha ha ha, de Sangsoo Hong
Life Above All, de Oliver Schmitz
Octubre, de Daniel Vega
R U There, de David Verbeek
Rizhao Chongqing, de Xiaoshuai Wang

Fora de Competição:

You Will Meet a Tall Dark Stranger, de Woody Allen
Tamara Drewe, de Stephen Frears
Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme, de Oliver Stone

Fonte:CinemaClick UOL

O Dia das Mães está aí.Que tal assistir um bom filme com ela?







Mamãe faz 100 anos – (Mamá cumple cien años –1979
Sinopse:
Ganhador do Prêmio Especial no Festival de San Sebastián, do Prêmio da Crítica no Festival de Bruxelas e indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, Mamãe Faz 100 Anos é uma obra dirigida por um dos mais importantes diretores da Espanha, Carlos Saura. Nesta obra-prima, Saura analisa a sociedade Espanhola durante o regime de Franco, apresentando uma família que aproveita a reunião de aniversário dos 100 anos da matriarca, para planejar sua morte e apoderar-se de sua herança. Mas apesar de fraca e doente, a Mamá (Rafaela Aparicio) ainda possui um caráter forte, impondo sua presença e autoridade frente aos seus individualistas e gananciosos filhos.
País de Origem: Espanha / França
Gênero: Comédia
Tempo de Duração: 92 minutos
Ano de Lançamento: 1979
Direção: Carlos Saura
Trailer:Clique aqui

De Salto Alto – (Tacones Lejanos, 1991)
Sinopse:
Rebeca trabalha como locutora de um telejornal dirigido por seu marido, Manuel. Ele foi o grande amor da mãe de Rebeca, Becky del Páramo, antes que esta a abandonasse para se dedicar a sua carreira como cantora, e não sabe que Rebeca é filha de Becky. Quinze anos depois a mãe volta a Madri para atuar e acertar alguns assuntos pendentes, especialmente a relação com sua filha.
Direção: Pedro Almodóvar
Roteiro: Pedro Almodóvar (história / roteiro)
Gênero: Drama
Origem: Espanha/França
Duração: 112 minutos
Trailer:Clique aqui

Mother – A Busca pela Verdade (Madeo, 2009)
Sinopse:
Hye-ja é viúva e dedica a vida a seu único filho Do-joon que, apesar de ter 28 anos, é totalmente dependente dela. Quando o corpo de uma menina é encontrado num prédio abandonado próximo à sua residência, o tímido Do-joon passa a ser considerado o principal suspeito. Mesmo sem evidências incriminatórias, a vontade da polícia em fechar o caso, e a incompetência do advogado de defesa, fazem a condenação parecer inevitável. Sem escolha, e determinada a provar a inocência do filho, Hye-ja decide encontrar o assassino sozinha
Direção: Joon-ho Bong
Roteiro: Eun-kyo Park, Joon-ho Bong, Wun-kyo Park
Gênero: Drama/Suspense
Origem: Coréia do Sul
Duração: 128 minutos
Trailer: Clique aqui

Tudo Sobre Minha Mãe – (Todo Sobre Mi Madre,1999)
Sinopse:
Esteban (Eloy Azorín) é um precoce escritor de dezessete anos que, em seu aniversário, pede como presente para sua mãe, Manuela (Cecilia Roth), que ela vá a uma apresentação da peça “Um Bonde Chamado Desejo”. Após o término, Esteban espera ansiosamente pela saída da estrela Huma Rojo (Marisa Paredes) dos camarins, afim de pegar um autógrafo com ela. Em meio ao temporal, Esteban é atropelado, falecendo logo a seguir no hospital. Sozinha, sua mãe decide voltar para Barcelona, cidade de onde fugira há alguns anos atrás, para encontrar o pai do menino, que vive como travesti, e dar-lhe a difícil notícia.
título original:Todo Sobre Mi Madre
Gênero:Drama
Duração:01 hs 41 min
Ano de lançamento:1999
Roteiro:Pedro Almodóvar
Trailer:Clique aqui

Laços de Ternura – (Terms of Endearment, 1983)
Sinopse:
Aurora e Emma vivem os altos e baixos da relação mãe-filha. Enquanto Aurora, mãe protetora e viúva há alguns anos, não aprova o casamento de sua filha, Emma vive o drama de saber que seu marido a trai. Entre desentendimentos e alegrias, Aurora começa a se relacionar com o ex-astronauta Garrett Breedlove, um vizinho paquerador, enquanto Emma descobre que tem câncer. Vencedor de 5 Oscars, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Shirley MacLaine), Melhor Ator Coadjuvante (Jack Nicholson) e Melhor Roteiro Adaptado.
Direção: James L. Brooks
Roteiro: Larry McMurtry, James L. Brooks
Gênero: Comédia/Drama/Romance
Origem: Estados Unidos
Duração: 132 minutos
Trailer: Clique aqui

Minha vida sem minhas mães – (Äideistä parhain / Mother Of Mine,2005)
Sinopse:
Em 1943 o pai de Eeros morre no front da 2ª Guerra e sua mãe toma a dificil decisão de mandar seu único filho, com nove anos embora da Finlândia para a segurança da Suécia. Lá, Signe recebe Eeros em sua casa, mas não em seu coração. Sem falar a mesma língua ele se sente desconfortável nessa casa estrangeira ao mesmo tempo em que sente desconfortável nessa casa estrangeira ao mesmo tempo que sente muita falta de sua mãe verdadeira. A partir das cartas de sua mãe, Eeros e Signe vão mudando suas maneiras de ver as coisas e, mais importante, seus sentimentos.
País de Origem: Finlândia / Suécia
Gênero:Drama
Classificação etária: 12 anos
Tempo de Duração: 111 minutos
Ano de Lançamento: 2005
Direção: Klaus Härö
Trailer:Clique aqui

MasmorraCast # 22 – Lobo Solitário e seu filhote,mangá e adaptações cinematográficas

 

Neste podcast  Angélica HellishMarcos Noriega e Lúcio Luiz do podcast Papo de Gordo conversaram sobre o mangá Lobo Solitário e seu filhote,as seis adaptações feitas para o cinema(ver ficha e trailers abaixo)e as séries realizadas.

 

 

Espada de aluguel, filho de aluguel:

Lobo Solitário e Filhote (em japonês – Kozure Ookami) (“Lone Wolf & Cub” em inglês) é um mangá que começou a ser publicado no ano de 1970 no Japão, com criação e roteiro de Kazuo Koike (nascido em 1936), também criador de Crying Freeman), e arte de Goseki Kojima (1928-2000).
Ainda hoje é considerado uma das obras primas do mangá, pelo excelente argumento e os belíssimos desenhos de Goseki Kojima, e inspirou várias adaptações para cinema nos anos 1980. (Os filmes baseados em Lobo Solitário e Filhote são conhecidos por sua fidelidade à história do mangá).
Além do Lobo Solitário, Kazuo Koike e Goseki Kojima criaram os mangás Kubikiri Asa (Samurai Executor), em 10 Volumes (1972-1976), e Hanzo no Mon (O Caminho do Assassino), em 15 Volumes (1978-1984), sendo que o primeiro foi publicado no Brasil pela Panini, e o segundo ainda é inédito no Brasil. Ambos são igualmente inspirados nos samurais do Período Edo.
Lady Snowblood (Yuki), escrito por Kazuo Koike, foi publicado no Brasil pela Conrad Editora.

As histórias de Lobo Solitário e Filhote se passam no Período Edo da história do Japão. Os personagens principais são Itto Ogami e seu filho Daigoro.

Os membros do clã Ogami eram destinados a se tornar os executores (kaishakunin), a única autoridade com permissão para matar um daimyo (senhor Feudal).
Mas a família Yagyu arquitetou uma farsa para que Itto fosse acusado de traição e condenado ao seppuku: executou todo o clã Ogami, exceto Itto e seu filho Daigoro, então recém-nascido; escondeu em seu templo pessoal uma tábua funerária com o símbolo do shogunato; e preparou uma falsa confissão zankanjo dizendo onde o objeto estaria escondido.
Uma confissão zankanjo era uma declaração de culpa assinada com o sangue de um samurai que se matava em seguida. Se o plano tivesse funcionado, o executor seria condenado, cometeria suicídio e deixaria seu posto vago. O clã Yagyu—que já tinha a função de assassinos secretos do shogun—passariam a ser também os kaishakunin. Eles já controlavam os shinobi Kurokuwa, a terceira polícia política do shogun.

Itto não se matou e escolheu trilhar a estrada do assassino (Meifumado). Na tentativa de impedir que Itto escapasse à sentença, o líder dos Yagyu propôs-lhe um duelo. (O simples assassinato do Ogami consistiria de um crime, porque ele ainda carregava a Rosa-malva, um emblema oficial do shogunato). Num duelo de apenas um golpe, Itto matou seu oponente, demonstrando sua excepcional habilidade, mesmo em situações desvantajosas: Itto lutou carregando o filho nas costas e com a luz do sol incidindo em seu rosto. Esta frase de um dos Yagyu descreve bem a dificuldade que Itto enfrentou no duelo:

“Kurato luta com o sol poente nas costas… e Ogami está com o filho nas dele[…]Nenhum dos dois luta sozinho, mas o desfecho está claro!”

Após a recusa ao suicídio, Ogami Itto passa a andar pelo Japão como um assassino de aluguel, sendo contratado geralmente para matar alvos difíceis e pessoas influentes.

 

Daigoro

O filho de Itto é uma criança prodígio. Aparenta não ter mais de quatro anos, mas foi educado na ética inflexível do pai. Quando Itto decidiu tornar-se um assassino, ele era apenas um bebê. Seu pai lhe ofereceu uma bola e uma espada e caso a criança escolhesse a bola, ele a mataria:

“Daigoro! Você deve achar seu próprio caminho! Escolha a dotanuki e junte-se ao seu pai na estrada do assassino. Escolha a temari(bola) e eu te mandarei para junto de sua mãe em yomi, a terra dos espíritos.”

O pai de Daigoro não tem receio em usar o filho como isca. Numa história ele fez com que o filho urinasse num nobre para ter um pretexto para exigir um duelo. Em outra ele chega ao ponto de abandonar o filho num rio para matar o homem que vem salvá-lo. No fim da mesma história, ele torna a usar o filho de isca para atingir seu verdadeiro alvo, e justifica o risco a que expõe a criança, alegando uma espécie de empatia:

Um pai conhece o coração do filho, como só o filho conhece o do pai. Um estranho não entenderia.”
Fonte:Wikipedia

Filmes/Ficha/Trailers:

1 –Lone Wolf and Cub: Sword of Vengeance
Diretor: Kenji Misumi
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), Tokio Oki (Retsudo Yagyü)
Duração: 83 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1972

2 –Lone Wolf and Cub: Baby Cart at the River Styx
Diretor: Kenji Misumi
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), Kayo Matsuo (Sayaka Yagyü)
Duração: 81 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1972

3 –Lone Wolf and Cub: Baby Cart to Hades
Diretor: Kenji Misumi
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), Go Kato (Kanbei)
Duração: 89 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1972

4 –Lone Wolf and Cub: Baby Cart in Peril
Diretor: Buichi Saito
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), Tatsuo Endo (Retsudo Yagyü)
Duração: 81 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1972

5 –Lone Wolf and Cub: Baby Cart in the Land of Demons
Diretor: Kenji Misumi
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), Minoru Ohki (Retsudo Yagyü)
Duração: 89 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1973

6 –Lone Wolf and Cub: White Heaven in Hell
Diretor: Yoshiyuki Kuroda
Elenco: Tomisaburo Wakayama (Itto Ogami), Akihiro Tomikawa (Daigoro), TMinoru Ohki (Retsudo Yagyü)
Duração: 83 minutos
Gênero: Ação
Ano: 1974

Citados no podcast:
Lady Snowblood
Crying Freeman
Anime Crying Freeman
Abertura da série de 1973 e o duelo final
Lobo Solitário no desenho Samurai Jack
Lobo Solitário de 1993,com cara de bom moço.

Curiosidades:

Tributo à Tomisaburo Wakayama
Contagem de mortos dos filmes do Lobo Solitário
Tomisaburo Wakayama,no filme americano Chuva Negra
Daigoro se perde de seu pai.

PARA FAZER DOWNLOAD, CLIQUE AQUI E SELECIONE SALVAR LINK COMO
NOVO FEEDhttp://www.podcastgarden.com/podcast/podcast-rss.php?id=7567 Assine  e conheça todos os nossos podcasts

Masmorra no Twitter e no Facebook