Masmorra à Trois: Trilogia Flamenca de Carlos Saura

Inaugurando os podcasts temáticos de 2012, trouxemos para vocês a nossa série “Trilogias” falando da Trilogia Flamenca de Carlos Saura.

Trilogia que faz brilhar a estrela  dos maiores expoentes dessa dança, Antonio Gades e Cristina Hoyos.

Marcos Noriega e Angélica Hellish convidaram Douglas Fricke, o Exumador do Podtrash pra trocar impressões sobre os filmes: Bodas de Sangue, Carmem e O Amor Bruxo.

Vamos a bailar?

Banner feito por Adorador do Capeta

Continuar lendo

Anúncios

La Voz Dormida

O ritual de expiação cinematográfico referente a períodos de ditadura militar no século XX está bem presente na filmografia de vários países de formação latina, como Argentina, Brasil ou Espanha. Nestes países, especialmente na terra do tango e na Península Ibérica, caudilhismos de extrema-direita atuaram com truculência, estupidez, e contribuíram não só para o atraso sócio-econômico, mas também para deixar feridas até hoje não cicatrizadas naquelas sociedades.

Continuar lendo

O Nome da Rosa

Adaptações cinematográficas de obras literárias nem sempre conseguem agradar tanto os que leram o livro, como também os que estão tendo o primeiro contato com a mesma através da película. Alguns filmes conseguem, com um bom roteiro adaptado, trazer para as telas o espírito, o clima, e a personalidade dos personagens presentes num bom romance. Muitas vezes, a análise de um filme adaptado deve se afastar do livro que lhe deu a inspiração. Mas não podemos deixar de criticar quando a obra cinematográfica diminui, com uma péssima adaptação, a grandiosidade e importância de uma obra literária. Mas fiquemos tranquilos, esse não é o caso de O NOME DA ROSA – Der Name der Rose (1986).

Continuar lendo

Horror e Medo com o fim do Mundo?

Como é sabido por todos, existem rumores que o mundo explodirá ao término deste ano. Ao menos é o que os Maias escreveram numas pedras por aí e uma galera esquisitona comprou e está revendendo para a humanidade. E muitos trouxas – no sentido Harry Potter de ser – acreditaram e estão esperando que o Reagan e Gorbachev reencarnem num duelo mortal com invasões de plantas carnívoras, regado com terremotos e algumas bombinhas nucleares.

E como a The Dark One Productions adota o improvável ridículo como filosofia de entretenimento – afinal falamos de filmes trash, melhor nós os executamos –  resolvemos compilar para vocês os 5 filmes mais bizarros sobre o fim do Mundo. Então botem para tocar o vídeo do REM e leiam a lista:
Continuar lendo

Leitura de e-mails, comentários e avisos importantes.

Começamos bem esse ano, fazendo a tão prometida leitura de e-mails, comentários e dando alguns avisos importantes relativos a projetos futuros.

Saibam que vocês são sempre lidos e  seus comentários são levados em consideração, gente! Comentem sempre!

Rolou aquela sugestão de música, e dessa vez foi Daniel Volponi quem nos trouxe o Canal do Youtube da Banda Pomplamoose.

Arte do Banner: Aline Rezener

Para  participar dos projetos do site, envie-nos um e-mail para contato@cinemasmorra.com.br usando no campo assunto: “Quero participar da equipe Cine Masmorra”

Continuar lendo

Drive

O diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn é um dos nomes mais promissores do cinema mundial, com pouco menos de 10 filmes dirigidos por ele, todos com temáticas completamente diferentes um do outro. Com um talento único para visualizar cenas impactantes, o diretor consegue criar uma visão muito própria em seus projetos. Destaque para Bronson, filme que ajudou na carreira do ator Tom Hardy.

Drive é o novo trabalho do diretor, o filme conta com atores muito talentosos e alguns conhecidos. Ryan Gosling faz o protagonista do longa, o “dublê sem nome”, piloto de cenas de ação que à noite é piloto de fuga para assaltantes, ele tem suas regras pessoais e as deixa muito claras para os seus contratantes.

Continuar lendo

Mientras Duermes

Há alguns anos tive a oportunidade de ver um filme espanhol de terror em uma sessão de meia-noite de sábado, sozinho na sala de cinema. Na época (e ainda hoje, um pouco) tinha certo apreço por esse tipo de experiência. Ora, conhecia Almodóvar, alguma coisa de Luis Buñuel (espanhol, apesar de naturalizado mexicano), mas não me lembrava de nenhuma grande menção ao cine de terror daquele país.

Continuar lendo